Governo diz que Brasil tem mais recuperados da Covid-19 do que doentes

Números coletados pelo Ministério da Saúde indicam que 55% dos contaminados se recuperaram no país

Ministro da Saúde, Luiz Henrique MandettaMinistro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta - Foto: Divulgação

O Ministério da Saúde informou nesta terça-feira (14) que ao menos 14 mil pessoas diagnosticadas com a Covid-19 já se recuperaram no Brasil. O número equivale a 55% do total de pacientes que tiveram resultado positivo em exames para o novo coronavírus.

De acordo com o secretário-executivo da pasta, João Gabbardo dos Reis, foram registrados até o momento 25.262 pacientes com Covid-19. Desse total, 1.532 morreram em decorrência da doença e 9.704 continuam internados.

Leia também:

Brasil bate recorde e registra 204 novas mortes por coronavírus em 24h

China autoriza testes clínicos de novas vacinas contra coronavírus 

Gabbardo rebateu as críticas de que o ministério se recusava a divulgar esse dado, afirmando que a pasta realizou questionamentos a outros países para decidir qual seria a melhor forma para trabalhar com esses números.

"Até se criou uma narrativa um tanto estranha, que eu tenho percebido nas redes sociais de que o Ministério da Saúde propositadamente não apresenta um dado de recuperação, tentando criar uma imagem de que o bicho é pior do que ele é realmente. Não é nada disso", disse o secretário-executivo.

O ministério, no entanto, frisa que o número de recuperados está dentro do número atual de casos comprovados -ou seja, pode haver variações. A pasta admite que há subnotificação nos dados, o que também pode influenciar o cálculo. "Hoje alguns pesquisadores falaram que para cada caso confirmado tem 12 não confirmados. Pode ser que sim. O inquérito vai nos dizer isso", disse o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Ele se refere a uma pesquisa que visa dar estimativas do total da população que tem anticorpos para o novo coronavírus. O trabalho deve ser conduzido pela Universidade Federal de Pelotas, em parceria com outras instituições. Atualmente, a maioria dos testes são oferecidos apenas a casos graves e a uma parte dos pacientes com síndrome gripal, o que dificulta um controle maior de casos no país. Por isso, o ministério avalia que o percentual de recuperados possa ser maior.

Na tentativa de ampliar a testagem, a pasta abriu um chamamento público nesta terça-feira (14) para empresas que queiram realizar o serviço de amostra respiratórias de testes RT-PCR, que visam verificar o material genético do vírus, em total de 3 milhões de exames. A expectativa é que sejam realizados 30 mil testes rápidos para a detecção do Covid-19 por dia.

Em geral, esse tipo de teste usa um swab, uma espécie de cotonete grande, para coletar amostras das vias respiratórias. "É aquele que coloca dentro do nariz e dentro da garganta de quem está no primeiro dia, no segundo dia de sintoma. Ele [o teste] é o que faz o diagnóstico precoce", explicou Mandetta.

A ideia é fazer parcerias público-privadas com laboratórios, e usar máquinas de doações. "Isso vem acoplado a um aplicativo. A nossa ideia é de remeter todos pra São Paulo, gerar uma usina de exames e devolver no aplicativo, procurando trabalhar com 24 horas entre o exame e resposta", completou. 

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Senado aprova uso de verbas de saúde por estados e municípios
Saúde

Senado aprova uso de verbas de saúde por estados e municípios

Eficácia da vacina anticovid da Moderna cai ligeiramente para 90% em teste nos EUA
Coronavírus

Eficácia da vacina anticovid da Moderna cai ligeiramente para 90% em teste nos EUA