A-A+

Peru cremação

Governo do Peru anuncia cremação do corpo do líder do grupo Sendero Luminoso

O corpo de Abimael Guzmán, líder do grupo armado maoísta Sendero Luminoso, foi cremado hoje no Peru

Abimael GuzmánAbimael Guzmán - Foto: Francisco Medina/AFP

O governo do Peru cremou o corpo do violento líder do grupo armado maoísta Sendero Luminoso, Abimael Guzmán, encerrando um violento capítulo da história do país que deixou dezenas de milhares de mortos e desaparecidos em duas décadas de conflito interno.

Em um comunicado, o Ministério do Interior informou que, nesta sexta-feira, "às 3h20 (5h20 de Brasília), na sede do Hospital Centro Médico Naval de Callao, começou a cremação do corpo de Manuel Rubén Abimael Guzmán Reinoso, culminando às 5h30 (8h30 de Brasília) do presente dia".

O destino das cinzas de Guzmán, cujo cadáver permaneceu em um necrotério desta cidade desde sua morte na prisão, em 11 de setembro, aos 86 anos, não foi revelado pelo governo e permanece um segredo.

A cremação aconteceu em um ato organizado de maneira reservada, com base em uma lei que permite ao Estado determinar o destino dos cadáveres dos líderes terroristas em nome da segurança nacional. Estiveram presentes os ministros do Interior, Juan Carrasco, e da Justiça, Aníbal Torres.

Horas antes, e sob forte proteção policial, o corpo foi transferido do necrotério de Callao para o crematório do hospital Naval, que fica na mesma área.

As autoridades não permitiram a entrada da imprensa e não informaram se há imagens da cremação, algo que parlamentares de direita haviam solicitado.

O ato coincidiu com o Dia das Forças Armadas, data celebrada nesta data no país.

"No Dia das Forças Armadas, o Executivo cumpriu a cremação e a disposição final das cinzas do genocida Abimael Guzmán. Hoje, mais do que nunca, reivindicamos a memória dos milhares de peruanos mortos pelo terror", tuitou o ministro do Interior.

A cremação encerrou uma disputa entre as autoridades e a viúva, que reclamava os restos mortais de Guzmán e acusou o governo de "assassinato".

O cadáver de Guzmán estava sob poder do Ministério Público desde sua morte, depois que um procurador rejeitou o pedido da viúva, a também detida Elena Yparaguirre, de fazer um sepultamento por meio de uma terceira pessoa. 

Respaldado por uma lei recente, o MP alegou razões de segurança nacional para cremar o corpo e não entregá-lo à viúva. Havia o temor de que o túmulo se transformasse em um local de peregrinação para o Sendero Luminoso, grupo considerado terrorista e ilegal no país há várias décadas.

O Sendero Luminoso iniciou uma "guerra popular" marcada por violentas ações terroristas entre 1980 e 2000. De acordo com a Comissão da Verdade e Reconciliação, este conflito deixou 70 mil mortos.

Veja também

EUA planejam retomar em novembro politica 'Fique no México'
Estados Unidos

EUA planejam retomar em novembro politica 'Fique no México'

Empresa lança cão robô armado e web compara com episódio de 'Black Mirror'
Robótica

Empresa lança cão robô armado e web compara com episódio de 'Black Mirror'