GUERRA NO ORIENTE MÉDIO

Governo dos EUA avança com acordo de US$ 1 bilhão para envio de armas a Israel

O mais recente pacote de armas inclui a transferência potencial de US$ 700 milhões em munições para tanques, US$ 500 milhões em veículos táticos e US$ 60 milhões em morteiros

Joe BidenJoe Biden - Foto: Jim Watson/AFP

A gestão do presidente dos EUA Joe Biden notificou o Congresso, nesta terça (14), que estava avançando com mais de US$ 1 bilhão em novos acordos de armas para Israel, um enorme pacote de armas menos de uma semana depois que a Casa Branca interrompeu um carregamento de bombas durante um planejado ataque israelense a Rafah.

O mais recente pacote de armas inclui a transferência potencial de US$ 700 milhões em munições para tanques, US$ 500 milhões em veículos táticos e US$ 60 milhões em morteiros, disseram as autoridades. Ainda existem etapas adicionais antes que as armas sejam aprovadas e entregues.

A decisão de prosseguir com o processo de aprovação sublinhou a relutância da administração Biden em aprofundar a sua divergência com o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu sobre a operação em Rafah.

Seth Blinder, especialista em vendas de armas nos EUA do Middle East Democracy Center, um instituto político em Washington, disse que a decisão da Casa Branca de prosseguir com um novo e grande pacote de armas para Israel poucos dias depois de suspender um carregamento pendente minou a sua própria tentativa de pressionar Netanyahu para repensar a condução da guerra.

Embora possa levar anos para que as armas do último pacote sejam entregues, Binder disse que Israel poderia interpretar o prosseguimento da administração com estes acordos como um sinal de que as munições gastas na guerra em Gaza seriam reabastecidas, apesar do forte desacordo sobre Rafah.

Veja também

Um morto e 29 feridos em explosão de fábrica de pólvora perto de Bogotá
COLÔMBIA

Um morto e 29 feridos em explosão de fábrica de pólvora perto de Bogotá

Argentina considera ''equivocada'' decisão do TPI de ordenar prisão de Netanyahu
POSICIONAMENTO

Argentina considera ''equivocada'' decisão do TPI de ordenar prisão de Netanyahu

Newsletter