Governo estuda mandar aviões da FAB para buscar equipamentos médicos na China

O uso de aeronaves do governo seria uma das três estratégias consideradas pela pasta para a retirada de itens importados

Avião da FABAvião da FAB - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Ministério da Saúde estuda enviar aviões da FAB (Força Aérea Brasileira) para trazer da China equipamentos médicos a serem usados na prevenção e no tratamento da Covid-19 no Brasil.

O uso de aeronaves do governo seria uma das três estratégias consideradas pela pasta para a retirada de itens importados. "Com a retomada da produção na China, a expectativa é a normalização futura da oferta dos equipamentos, a adequação dos preços e a retomada da compra descentralizada. Para a retirada desses produtos adquiridos pela pasta estão sendo analisadas três estratégias: a utilização de voos comerciais regulares que têm se mostrado difícil devido à diminuição de voos, a contratação de aviões cargueiros e o envio de aeronaves da FAB."

Leia também:
Avião com insumos para combate ao coronavírus chega ao Recife
OMS reitera que o coronavírus também afeta os jovens


Os Estados Unidos também enviarão 23 aviões para voltar com toneladas de equipamentos e produtos hospitalares da China. A notícia acendeu luz amarela em especialistas brasileiros que tentam comprar insumos de empresas do país asiático.

"A notícia mostra que vamos ter sérios problemas de abastecimento", diz o médico Carlos Morel, ex-presidente da Fiocruz que hoje negocia com empresas do país asiático a importação de insumos para a fundação, vinculada ao Ministério da Saúde, e outros para órgãos do país.

"O capitalismo selvagem vai se impor. Cada país vai querer se proteger", diz ele. Morel afirma que "a pressão sobre as empresas chinesas está no nível máximo" e os preços dos insumos médicos estão aumentando freneticamente. "Sobem de um dia para o outro".

Morel diz que as companhias chinesas já começaram a avisar que muitos equipamentos, como leitos hospitalares, só poderão ser entregues em junho.Os vôos ordenados pela Casa Branca para a China foram noticiados pelo "The New York Times". O jornal diz que o primeiro avião trouxe 80 toneladas de mercadorias, como 10 milhões de luvas, 1,8 milhão de máscaras, aventais e "milhares de termômetros".

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Arara-vermelha é resgatada durante fiscalização da PRF na BR 116, em Salgueiro
CRIME AMBIENTAL

Arara-vermelha é resgatada durante fiscalização da PRF na BR 116, em Salgueiro

Curso aprimora habilidade de idosos para identificar fake news
Educação

Curso aprimora habilidade de idosos para identificar fake news