Governo facilita importação de insumos para máscaras e respiradores

O objetivo da medida é aumentar a oferta de insumos para a produção nacional de bens destinados a combater a pandemia

MáscaraMáscara - Foto: Divulgação / Educa mais Brasil

O governo federal zerou o Imposto de Importação sobre 25 insumos utilizados para fabricação e operação de bens destinados ao combate ao coronavírus. A decisão foi tomada na quarta-feira (1) pela Câmara de Comércio Exterior (Camex), em reunião virtual de seu comitê executivo de gestão.

Foram eliminadas tarifas para importação de componentes usados, por exemplo, em respiradores artificiais e ventiladores, além de máscaras de proteção.

"O objetivo da medida, ao reduzir a zero as tarifas, é aumentar a oferta de insumos para a produção nacional de bens destinados a combater a pandemia, diminuindo os custos para a fabricação desses bens no país e aumentando a sua disponibilidade para o sistema de saúde brasileiro, disse a Camex em nota.

Leia também:
Governo zera imposto de importação de medicamentos contra a Covid-19
Anvisa passa a exigir apenas receita médica para liberar importação de canabidiol 

A eliminação das tarifas só será aplicada aos insumos quando forem utilizados na produção de bens relacionados ao combate do coronavírus. A medida vale até 30 de setembro para essas tarifas, que em alguns casos chegavam a ter alíquota de até 26%.

É a terceira rodada de eliminação de tarifas para produtos relacionados ao combate à pandemia pela Camex, órgão vinculado ao Ministério da Economia. Em 17 de março foi zerado o imposto sobre 50 produtos, e em 25 de março, de mais 61.

Os produtos afetados agora compreendem, por exemplo, tecidos para a fabricação de máscaras de proteção, suporte metálico para circuitos respiratórios e misturador de gases para ventiladores pulmonares, entre outros.

O Brasil vem tendo dificuldade para importar equipamentos e aparelhos prontos para combater o coronavírus, uma vez que há uma corrida global sobretudo atrás de produtos da China. O agravamento do cenário nos EUA, e o reconhecimento por parte do presidente Donald Trump de que a crise é intensa e longa aumentou a disputa por estes produtos.

O governo americano está enviando 23 aviões cargueiros para buscar produtos chineses, afetando o fornecimento para outros países. Também há muita demanda por parte de países europeus como Itália e Espanha, onde a doença já matou mais de 10 mil pessoas.

Conforme publicou o jornal Folha de S.Paulo nesta sexta-feira (3), uma carga de 600 respiradores chineses destinada aos estados do Nordeste ficou retida em Miami (EUA) no início da semana e deverá ser destinada ao mercado americano.

Com a facilitação da importação de insumos, a ideia é tentar compensar em parte essa escassez com produção nacional. Segundo a Camex, outras medidas relacionadas ao comércio exterior vêm sendo tomadas para ajudar no combate à pandemia.

Entre os exemplos citados estão a suspensão temporária de ações antidumping sobre tubos de coleta de sangue e seringas descartáveis, a redução de Imposto sobre

Produtos Industrializados (IPI) sobre bens importados essenciais ao combate à Covid-19 e medidas para simplificar os trâmites aduaneiros de importação de produtos.Além disso, a exportação de produtos relacionados ao enfrentamento da pandemia será analisada de forma mais criteriosa, permitindo apenas a venda do excedente do mercado doméstico.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Honre os seus antepassados: agradeça
Holística

Honre os seus antepassados: agradeça

Cabo de Santo Agostinho começa a vacinar público de 48 anos nesta segunda e reduzirá idades por dia
Covid-19

Cabo de Santo Agostinho começa a vacinar público de 48 anos nesta segunda e reduzirá idades por dia