Pandemia

Governo Federal deixa parados R$ 2,3 bi para vacina contra Covid

Levando-se em conta a data em que o dinheiro foi reservado para duas vacinas específicas, 22 de fevereiro, a paralisação dos recursos já dura quase oito meses

Vacina contra a Covid-19Vacina contra a Covid-19 - Foto: Cindy Ord/Getty Images via AFP

O governo Jair Bolsonaro avançou na rescisão de um segundo contrato para compra de vacinas contra a Covid-19 e deixou parado, sem uso na aquisição de outros imunizantes, um montante de R$ 2,3 bilhões.

O Ministério da Saúde afirmou à Folha que apresentou à União Química Farmacêutica, responsável pela vacina russa Sputnik V, a intenção de rescindir o contrato de R$ 693,6 milhões, destinado à compra de 10 milhões de doses.

O cancelamento da Sputnik V se somará à anulação do contrato e da reserva de R$ 1,6 bilhão destinado ao pagamento por 20 milhões de doses da vacina indiana Covaxin, intermediada no Ministério da Saúde pela Precisa Medicamentos. Este contrato foi cancelado em 27 de agosto. A anulação da nota de empenho, que reservava o dinheiro, ocorreu em 2 de setembro.

Levando-se em conta a data em que o dinheiro foi reservado para as duas vacinas específicas, 22 de fevereiro, a paralisação dos recursos já dura quase oito meses.
 

Nem a anulação de uma das notas de empenho levou a novas destinações da verba. Nesses oito meses, já houve diversos atrasos e paralisações na vacinação, oposição do ministério à imunização de adolescentes e lentidão na dose de reforço em idosos. Além disso, prossegue uma indefinição sobre aquisições de novas doses e sobre a vacinação em 2022.

As contratações em xeque são herança da gestão do general Eduardo Pazuello e do coronel Elcio Franco Filho no Ministério da Saúde.

A reportagem confirmou, por meio de registros da execução orçamentária do governo, que os R$ 2,3 bilhões referentes aos dois contratos estão parados, sem destinação para novas vacinas.

O Ministério da Saúde não respondeu o que pretende fazer com o dinheiro, destravado de forma emergencial por uma MP (medida provisória) assinada por Bolsonaro em dezembro de 2020. A MP liberou R$ 20 bilhões para a compra de vacinas ao longo de 2021.

Em uma primeira resposta à reportagem, a pasta afirmou que os dois contratos e as duas notas de empenho haviam sido cancelados. Depois, o ministério disse que a anulação foi finalizada somente no caso da Covaxin. "O recurso permanece no Tesouro Nacional", afirmou.

Sobre a Sputnik V, o Ministério da Saúde apresentou à União Química a intenção de rescisão do contrato, conforme a nova nota. "A empresa, no entanto, usando seu direito de ampla defesa, apresentou argumentação, que está em análise pelo ministério." O ministro Marcelo Queiroga (Saúde) já havia sinalizado a intenção de descartar o contrato da Sputnik V. 

A projeção de entrega de vacinas mais recente do ministério, do último dia 13, traz os 10 milhões de doses do imunizante russo com destaque em vermelho e anotação de que o "contrato encontra-se sobrestado/em rescisão".

A União Química fez forte lobby político, ainda no começo do ano, para pressionar a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) a liberar o uso emergencial da Sputnik V.

Para isso, a empresa escalou o ex-deputado federal pelo PSD e ex-governador do DF Rogério Rosso, que fez interlocução junto a políticos do centrão no Congresso.

Já a Precisa Medicamentos garantiu o contrato bilionário para fornecer a Covaxin, fabricada pela indiana Bharat Biotech, por meio de fraudes em documentos, irregularidades na execução do contrato e suspeitas de corrupção, que passaram a ser o principal foco da CPI da Covid no Senado.

Nos dois casos, a Anvisa deu aval apenas à importação de doses da Rússia e da Índia, sujeita a uma série de condições especiais e a uma limitação na quantidade inicial de doses. Faltaram documentos básicos para a liberação de uso emergencial das duas vacinas.

Com o acúmulo de suspeitas de corrupção na contratação da Covaxin, inclusive com a acusação de que o presidente da República prevaricou ao não levar adiante a denúncia que recebeu dentro do Palácio da Alvorada, o Ministério da Saúde suspendeu o contrato, para depois cancelá-lo de vez.

Uma nota de empenho, reservando R$ 1,6 bilhão para ser destinado à Precisa e à Bharat Biotech, ficou vigente por mais de seis meses: entre 22 de fevereiro e 2 de setembro.

O dinheiro ficou parado nesse período. E permaneceu inutilizado nos 45 dias posteriores à anulação da nota de empenho.

Queiroga aproveitou o cancelamento do contrato da Covaxin para buscar o mesmo com a Sputnik V. O ministro argumentou que a vacina russa não obteve o aval necessário da Anvisa.

As duas contratações, feitas com os preços mais altos entre os imunizantes adquiridos pelo governo brasileiro, foram centralizadas, negociadas e efetivadas pelo coronel do Exército Elcio Franco Filho, durante o período em que exerceu o cargo de secretário-executivo do Ministério da Saúde.

Elcio foi o braço-direito do general Pazuello na condução da pasta. Os dois foram demitidos em março. Logo depois, ganharam cargos de confiança no Palácio do Planalto.

Elcio e Pazuello são investigados pela CPI da Covid e devem ter responsabilidades apontadas no relatório final do senador Renan Calheiros (MDB-AL), que deve pedir o indiciamento por crimes dos dois militares. O relatório tem votação agendada para o próximo dia 20.

Dos R$ 20 bilhões liberados por MP em dezembro de 2020 para a compra de vacinas contra a Covid-19, houve o empenho -a autorização para gastos- de R$ 18,3 bilhões (91,5%), segundo relatório de execução orçamentária da Consultoria de Orçamento da Câmara dos Deputados. Os pagamentos efetivos, até o último dia 11, somaram R$ 11,7 bilhões (58,5%).

Já dados extraídos pela Consultoria do Senado mostram que o dinheiro antes destinado à Covaxin, no valor de R$ 1,6 bilhão, ficou sem novos empenhos desde a anulação da reserva em 2 de setembro. Os mesmos dados indicam que o dinheiro da Sputnik V segue empenhado –e sem uso.

O governo brasileiro vem fornecendo a estados e municípios quatro tipos de vacinas: a fabricada pela AstraZeneca e pela Fiocruz; a Coronavac, parceria do Instituto Butantan com a chinesa Sinovac; a da Pfizer; e a da Janssen.

O Brasil ultrapassou a marca de 100 milhões de pessoas com esquema vacinal completo contra a Covid-19, o que equivale a quase metade da população total. Com apenas uma dose, são mais de 150 milhões de pessoas, ou mais de 70% da população.

O país, porém, demorou a começar a vacinar em massa, em razão de resistência e até mesmo campanha negativa do governo Bolsonaro em relação às vacinas Coronavac e Pfizer.

Também houve diversas paralisações da imunização em estados e municípios por falta de doses.

Até agora, a dose de reforço em idosos e profissionais de saúde chegou a 1,6% da população; a vacinação em adolescentes chegou a ter recomendação contrária por parte do ministério, o que suscitou em estados e municípios a suspeita de falta de vacinas; e há um cenário de indefinição para 2022.

Na última projeção de entregas de vacinas, atualizada semanalmente pelo Ministério da Saúde, 225 milhões de doses dependiam de confirmação dos laboratórios quanto a recebimento de IFA (ingrediente farmacêutico ativo) ou de tratativas ainda em curso.

Veja também

Marinha dos EUA intercepta navio procedente do IrãMundo

Marinha dos EUA intercepta navio procedente do Irã

Estudo aponta relação entre consumo de drogas e internações por traumaSaúde

Estudo aponta relação entre consumo de drogas e internações por trauma