Governo Paulo Câmara vai ficando mais pobre

No período de 90 dias, deixaram o governo Danilo Cabral, André de Paula, Luciano Vasquez e Thiago Norões

Pesquisa Ipespe SenadoPesquisa Ipespe Senado - Foto: Artes/Folha de Pernambuco

Já é conhecida dos pernambucanos a inapetência do governador Paulo Câmara para tentar se tornar um líder político estadual e regional. É como se a sombra do ex-governador Eduardo Campos ainda pairasse no Palácio das Princesas, inibindo os passos dos seus atuais ocupantes. Devido a esse vácuo que se criou, o governador deveria ter mais zelo pelo “núcleo político” do seu governo, ou seja, por aquelas pessoas que o cercam e são do ramo, mas não é isso o que acontece. No período de apenas três meses, deixaram o governo os deputados Danilo Cabral e André de Paula, o ex-presidente do Lafepe Luciano Vasquez e o procurador Thiago Norões. Quadros políticos como esses não são formados do dia para a noite. São gestados no processo. E independente da motivação que cada um tenha tido para deixar o governo, ele vai ficando politicamente mais pobre, o que é ruim não apenas para o governador mas para Pernambuco.

No período de 90 dias, deixaram o governo Danilo Cabral, André de Paula, Luciano Vasquez e Thiago Norões

Conflito com a Casa Civil
Thiago Norões já dava sinais há 30 dias de que iria sair do governo Paulo Câmara. O motivo seria conflitos constantes com a Casa Civil (Antonio Figueira). Norões não é um quadro político qualquer. É procurador do Estado, concursado, dono de notável saber jurídico e, no comando de Suape, Copergás, Compesa, AD-Diper e Porto do Recife, sempre gerava “pautas positivas” para o governo.

Instância > No governo de Eduardo Campos, a “instância” para resolver eventuais conflitos entre secretários era ele próprio. No de Paulo Câmara essa “instância” não existe. Cada qual age por si e não há um “maestro” para comandar a orquestra. O governador é homem da “paz”, mas não mostra vocação para liderar.
Contra > Consultado sobre a entrega do Porto do Recife ao PP para manter esse partido na base de apoio ao prefeito Geraldo Júlio, Thiago Norões foi contra. Queria vê-lo sob o comando de um técnico.
Quadros > A PF encontrou entre as“obras de arte do ex-governador Sérgio Cabral (RJ) retratos dele e da mulher, Adriana, pintados pelo pintor pernambucano (radicado nos EUA) Romero Brito.
Ingênuo > Michel Temer não agiu de má fé no “episódio” Geddel Vieira Lima. Comportou-se, sim, com um político “ingênuo”, algo inconcebível num político que presidiu 3 vezes a Câmara Federal.
Reforço > Mesmo no contexto de crise em que o Brasil se encontra, Pernambuco tem tido sorte. Embolsou R$ 700 milhões no final de 2015 pela “venda” da folha ao Bradesco e vai embolsar mais de R$ 500 milhões no final deste ano referente aos recursos da repatriação. O final de 2017 ainda é uma incógnita.

Isonomia > Erra o Governo do Estado quando faz acordo salarial com a Polícia Civil e não dá o mesmo tratamento à Polícia Militar. Deveria negociar com as duas, isonomicamente, para evitar focos de tensão. No governo João Lyra Neto, como se lembra, a PM cruzou os braços por 24h e o Estado virou um caos.
Falência > Paulo Câmara reuniu ontem no Palácio das Princesas 7 dos 9 governadores do Nordeste para uma troca de opiniões sobre a crise fiscal dos seus estados. Ele poderia liderar um movimento para mostrar ao Brasil que, do jeito que se encontra, a Federação não se sustenta, com os governadores a cada 15 dias em Brasília não para pedir recursos para obras de infraestrutura, e sim para pagar o 13º salário dos servidores públicos estaduais.


Veja também

Rodovias de Pernambuco recebem reforço na fiscalização durante o feriadão de Finados
feriadão de Finados

Rodovias de Pernambuco recebem reforço na fiscalização

Legislativo boliviano recomenda julgamento contra presidente interina por violência de 2019
Bolívia

Legislativo boliviano recomenda julgamento contra presidente interina por violência de 2019