A-A+

Governo quer gastar R$ 140 milhões em máscaras e insumos contra coronavírus

'Será a primeira vez que o ministério faz uma aquisição dessas num volume considerável', afirma o secretário-executivo do ministério, João Gabbardo dos Reis

CoronavírusCoronavírus - Foto: Hector Retamal/AFP

O Ministério da Saúde pretende investir cerca de R$ 140 milhões para compra de máscaras, toucas, luvas e medicamentos em caso de necessidade devido ao novo coronavírus. O objetivo é reforçar os estoques da rede de saúde e evitar um cenário de falta desses materiais no mercado, em um contexto em que cresce a busca por máscaras de proteção.

"Será a primeira vez que o ministério faz uma aquisição dessas num volume considerável", afirma o secretário-executivo do ministério, João Gabbardo dos Reis. Ele explica que, em geral, esses itens não costumam ser fornecidos pelo ministério - a responsabilidade por adquirir cabe aos hospitais.

O volume total de produtos a serem adquiridos não foi informado. De acordo com Gabbardo, a medida ocorre diante do receio de que haja falta de alguns deles no mercado nacional e para preparar a rede de saúde. "Se não for necessário para o coronavírus, vamos distribuir para os hospitais e Santas Casas, de maneira de que não vamos ter desperdício", diz.

Leia também:
Brasileiros em Wuhan chegam neste sábado em Goiás
Coronavírus já é a epidemia mais cara dos últimos 20 anos, diz estudo


Veja o que se sabe até agora sobre o novo coronavírus chinês Na última semana, o Ministério da Saúde já havia anunciado a intenção de alugar mil leitos extras de UTIs. De acordo com Gabbardo, a distribuição será feita de acordo com a necessidade de cada estado. A ideia é que a estratégia ocorra apenas de forma temporária. "Não ocorrendo necessidade, não serão instalados", afirma.

Pacientes infectados com o novo coronavírus descansam em um hospital improvisado convertido de um centro de exposições em Wuhan, província de Hubei, na Balanço divulgado nesta quarta-feira (5) pelo Ministério da Saúde aponta que caiu para 11 o número de casos em investigação no país de suspeita de infecção pelo novo coronavírus.

Até o momento, nenhum registro foi confirmado. Já o número de casos descartados chega a 21.

"Em todos os casos descartados, identificamos outro vírus", afirma o diretor do departamento de doenças transmissíveis, Julio Croda. A maioria dos diagnósticos têm apontado avaliação positiva para os vírus da gripe influenza B e influenza A. Também houve diagnóstico para rinovírus, comum a resfriados.

Para comparação, até terça-feira (4), eram 13 casos de suspeita de infecção pelo novo vírus e 16 descartados.

Entre os casos atualmente em investigação, 5 ocorrem no Rio Grande do Sul, 4 em São Paulo, 1 em Santa Catarina e 1 no Rio de Janeiro.

Destes, três já deram negativo para vírus mais comuns a sintomas respiratórios e, agora, aguardam resultado de exames mais complexos capazes de verificar se a infecção foi para o novo coronavírus ou outra possibilidade não testada inicialmente. Outros três que chegaram a essa etapa de análise já foram descartados.

De acordo com o ministério, o maior registro de casos na região Sul já era esperado por serem locais com maior incidência de problemas respiratórios.

No mundo, são 24.631 casos confirmados, a maior parte deles na China.

"Isso demonstra claramente que a transmissão local está concentrada na China, e 66% em Hubei", afirma Croda. Segundo ele, todos os casos em outros países são de pacientes que vieram de Wuhan ou que tiveram contato com casos importados confirmados - daí a avaliação de que ainda não há transmissão maior nestes locais.

Veja também

Dia Mundial do Doador de Medula Óssea muda cores do Congresso Nacional
Doador de Medula

Dia Mundial do Doador de Medula Óssea muda cores do Congresso Nacional

Portugal reconhece certificados de vacinação emitidos pelo Brasil
Coronavírus

Portugal reconhece certificados de vacinação emitidos pelo Brasil