Governo quer que a Shell explique aparecimento de barris no litoral nordestino

A equipe do presidente Jair Bolsonaro ainda busca repostas a respeito das manchas de óleo em praias do Nordeste brasileiro.

Ministro do Meio Ambiente, Ricardo SallesMinistro do Meio Ambiente, Ricardo Salles - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O governo quer que a Shell explique o aparecimento de barris ligados à empresa no litoral do Nordeste. Os barris, que têm a inscrição de um lubrificante fabricado pela empresa, foram encontrados na praia da Formosa, em Sergipe. O esclarecimento sobre o achado foi requisito pelo Ibama, a pedido do ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente).

A Shell Brasil esclarece que o conteúdo original dos tambores não tem relação com o óleo cru encontrado em diferentes praias da costa brasileira. "São tambores de lubrificante para embarcações, produzido fora do país. Ibama está ciente do caso", disse a empresa em nota.

A equipe do presidente Jair Bolsonaro ainda busca repostas a respeito das manchas de óleo em praias do Nordeste brasileiro. O número de pontos atingidos pelo derramamento de petróleo tem aumentado nos últimos 30 dias, mas ainda não se sabe a origem do vazamento.

Leia também:
Justiça determina que governo contenha avanço de óleo em Sergipe
Bahia vai assinar decreto para ajudar cidades afetadas por óleo
Óleo chega à foz do Rio São Francisco, em Alagoas


Análises do Ibama e da Universidade Federal da Bahia (UFBA) apontaram que o óleo é venezuelano, o que o governo do país nega. Em comunicado conjunto, o Ministério do Petróleo e a empresa estatal de petróleo PDVSA disseram que não receberam nenhum relato de clientes ou subsidiárias sobre vazamentos de petróleo perto do Brasil.

Simulações de computador feitas por pesquisadores indicam que a origem das manchas de óleo nas praias do Nordeste está no alto-mar, a pelo menos 400 km da costa.

Veja também

Fiocruz detecta variantes do coronavírus em três regiões do País
Variantes

Fiocruz detecta variantes do coronavírus em três regiões do País

Califórnia destina 40% das vacinas aos mais pobres em preocupação crescente com desigualdade
EUA

Califórnia destina 40% das vacinas aos mais pobres em preocupação crescente com desigualdade