Governo vai antecipar ajuda a pescadores afetados por mancha de óleo

O seguro-defesa é um auxílio, no valor de um salário mínimo, transferido a pescadores no período de paralisação temporária da atividade para a reprodução e preservação das espécies

Manchas de óleo começaram a aparecer em setembroManchas de óleo começaram a aparecer em setembro - Foto: Adema/Governo de Sergipe/Divulgação

A ministra Tereza Critina (Agricultura) anunciou nesta quarta-feira (16) que o governo vai antecipar em um mês o pagamento do seguro-defeso para as comunidades de pescadores no Nordeste que tenham sido afetadas pelas manchas de óleo na região.

O seguro-defesa é um auxílio, no valor de um salário mínimo, transferido a pescadores no período de paralisação temporária da atividade para a reprodução e preservação das espécies.

"Ele [seguro-defeso] começaria em novembro. Nas aldeias e estados onde está tendo problema, vamos poder antecipar para que os pescadores possam parar de pescar esse peixe, que não está apropriado para o consumo, e também não deixem de ter renda para a sua sobrevivência", disse a ministra.

Leia também:
Não há registro de novas manchas de óleo no Nordeste, diz força-tarefa
Voluntários fazem mutirões e encontram animais mortos em praias com óleo


Ela fez o anúncio após participar, ao lado do secretário da Pesca, Jorge Seif Jr., de uma reunião com senadores do Nordeste."Não é um liberou geral. Onde tem problema o governo vai entrar fazendo essa antecipação", acrescentou Tereza Cristina.

A expectativa do governo é conseguir pagar essa antecipação ainda no final de outubro.

Para tanto, segundo o secretário Seif, as aldeias e comunidades afetadas deverão comunicar as autoridades estaduais, que por sua vez repassarão as informações ao ministério da Agricultura. A pasta comandada por Tereza Cristina comunicará então o ministério da Economia, para que ocorra a liberação do benefício antecipado no INSS.

O período do defeso varia de acordo com a espécie e sua área de ocorrência. Para algumas espécies de ocorrência nos estados nordestinos, por exemplo, o período do defeso começa em novembro e se estende até o início do ano seguinte.

A ideia, ainda segundo Tereza Cristina, é que a antecipação não se converta em um pagamento extra -ou seja, o benefício acabaria mais cedo no início de 2020 para aqueles que receberem adiantado. Mas ela disse que a evolução da situação será estudada. "Ano que vem, se for necessário, é um outro passo".

A região Nordeste sofre há meses com o aparecimento de manchas de óleo nas áreas costeiras. As primeiras manchas reportadas foram vistas na Paraíba em 30 de agosto.

A lista de praias no Nordeste atingidas por manchas de óleo tem crescido desde o início da crise. As últimas atualizações do Ibama indicam que mais de 160 locais foram afetados nos nove estados da região.

Ainda não se sabe exatamente qual a origem do petróleo. A análise do óleo, realizada pela Petrobras, Marinha e universidades do Nordeste, indica que o material é de origem venezuelana, o que, na prática, não quer dizer que a Venezuela tenha ligação direta com o vazamento.

Veja também

Paulo Câmara anuncia investimento de R$ 47,2 milhões na agricultura familiar de Pernambuco
Economia

Paulo Câmara anuncia investimento de R$ 47,2 milhões na agricultura familiar de Pernambuco

Pernambuco registra 32 mortes e 1.229 novos casos de Covid-19 nas últimas 24h
Coronavírus

Pernambuco registra 32 mortes e 1.229 novos casos de Covid-19 nas últimas 24h