Grafite, a esperança

A torcida tricolor saiu do Arruda mais feliz com a volta de seu artilheiro do que com a vitória, que de nada serviu, pois o gol sofrido no fim determinou a eliminação do Santa Cruz da Copa Sul-Americana.

Espetáculo "Olha Pro Céu, Meu Amor"Espetáculo "Olha Pro Céu, Meu Amor" - Foto: Antônio Roque/Divulgação

Eis que depois de três meses de “seca”, Grafite se encontra com o gol. A torcida tricolor saiu do Arruda mais feliz com a volta de seu artilheiro do que com a vitória, que de nada serviu, pois o gol sofrido no fim determinou a eliminação do Santa Cruz da Copa Sul-Americana. Essa competição, aliás, tornou-se um fardo para um clube cujo elenco mal consegue dar conta dos jogos da Série A, onde cambaleia como penúltimo colocado e sério candidato ao rebaixamento.

A alegria dos torcedores, porém, é justifica. Desde que um helicóptero aterrissou nas Repúblicas Independentes do Arruda, em agosto do ano passado, trazendo o goleador que o clube passou a viver de seus gols. E como foram importantes os tentos na Série B do ano passado, quando o time garantiu sua vaga na elite do futebol nacional. Há jogadores que apenas jogam, como diria o Conselheiro Acácio, nobre personagem de Eça de Queiroz.

Grafite faz muito mais. Ele ganha jogos. Descoberto nas divisões amadoras do interior de São Paulo, defendeu a Matonense e veio par ao Santa há 15 anos como um ilustre desconhecido. Aqui, no Recife, namorou, casou e fez sucesso. Tanto que foi parar no Grêmio. De lá para o Goiás, São Paulo, Wolfsburg (Alemanha), Seleção Brasileira e, no fim da carreira, a volta ao aconchego tricolor, quando ajudou o time a conquistar, além do Estadual, o inédito título de campeão do Nordeste.

O Santa tem 11 jogos ainda na Série A. Precisa vencer sete. É muito. Os céticos duvidam. Mas se Grafite estiver embalado nada será impossível. Alto e forte, é um atacante que une habilidade, força e uma incrível capacidade de usar o corpo para sobrepujar os adversários. Dentro da área, é fatal.

Os gols marcados ontem, no Independiente, de Medellin, acenderam uma luz verde, de esperança, no imaginário coral. E tem sido assim nesta segunda passagem do atacante pelo Arruda. Suas fases ruins e boas paralelas ao rendimento da equipe. Se Grafite vai mal, o Santa também. Se ele cresce, os resultados aparecem.

Vamos aguardar. A coluna Balanço na Rede será publicada neste portal às segundas e quintas.

Veja também

Primeiras imagens do novo acelerador de elétrons do Brasil são de proteínas do novo coronavirus
Coronavírus

Primeiras imagens do novo acelerador de elétrons do Brasil são de proteínas do novo coronavirus

Brasil: 1.071 novos óbitos e mais 39mil casos da doença neste sábado
Covid-19

Brasil: 1.071 novos óbitos e mais 39mil casos da doença neste sábado