Gramado e pênaltis preocupam Brasil em novo duelo com Paraguai

Terreno da Arena do Grêmio, em Porto Alegre, já foi reprovado por jogadores como o argentino Lionel Messi e o uruguaio Luis Suárez

Brasil X VenezuelaBrasil X Venezuela - Foto: Juan Mabromata / AFP

Após a mais convincente atuação da seleção brasileira na Copa América, o técnico Tite atribuiu parte do sucesso ao "tapete" que é o gramado do estádio de Itaquera, em São Paulo, palco da vitória por 5 a 0 sobre o Peru. Agora, nas quartas de final, contra o Paraguai, o time atuará em um campo que tem sido constantemente criticado.

O terreno da Arena do Grêmio, em Porto Alegre, já foi reprovado por jogadores como o argentino Lionel Messi e o uruguaio Luis Suárez. E passou a ser uma preocupação para a seleção diante de um adversário que a eliminou da competição sul-americana em duas das três últimas edições.

Em 2011 e 2015, o Paraguai também encontrou o Brasil nas quartas de final. Em ambos os duelos, levou a melhor na disputa por pênaltis, e aí está outro motivo de inquietação da comissão técnica. Desde o início da preparação, ainda na Granja Comary, em Teresópolis, os atletas vêm praticando tiros da marca penal, que podem ser decisivos no mata-mata.

Leia também:
Conmebol transfere final da Sul-Americana para Assunção, no Paraguai
Com reservas, Colômbia vence e deixa Paraguai em situação difícil

Na ausência do cortado Neymar, quem assumiu a responsabilidade foi Philippe Coutinho, que converteu sua batida no jogo de abertura da Copa América, o triunfo por 3 a 0 sobre a Bolívia. Já na goleada sobre o Peru, o erro no tiro livre de Gabriel Jesus não custou caro à seleção, mas recordou que o pé calibrado daquela distância pode ser a diferença entre sobreviver e ficar pelo caminho.

"Sempre que acaba o treinamento, a gente bate cinco ou seis pênaltis. O treinamento te condiciona e te dá uma confiança maior para bater", afirmou Coutinho, citando Gabriel Jesus, Roberto Firmino e Richarlison entre aqueles que o acompanham nesse tipo de atividade. "Acho que todos eles batem bem."

Em 2011, ninguém de verde-amarelo bateu bem. Em um resultado raro nesse tipo de disputa, o Paraguai venceu o Brasil por 2 a 0. Elano, Thiago Silva, André Santos e Fred falharam, em dia que ajudou a tirar Mano Menezes do comando do time. Elano e André Santos erraram por muito e culparam as placas de grama mal presas na região da marca penal.

Quatro anos mais tarde, o desempenho não foi tão ruim, mas a seleção também caiu nos pênaltis diante dos paraguaios, desta vez por 4 a 3. Everton Ribeiro e Douglas Costa não acertaram o alvo e complicaram a situação de Dunga - que aguentou mais um ano no cargo, até a eliminação ainda na primeira fase da Copa América Centenário, em 2016.

Tite espera que a história de 2019 seja diferente. E, apesar da precaução exibida nos treinos, a ideia, claro, é resolver a classificação sem a necessidade de chutes de desempate. Para isso, o time terá de se virar em um gramado que, se não está soltando placas como o da eliminação de 2011, na Argentina, não é o tapete visto pelo treinador em Itaquera.

Ele esteve na Arena do Grêmio com o coordenador da seleção, Edu Gaspar, na manhã de segunda-feira (24). Ouviu que o campo vem recebendo um tratamento especial, com adubos, e terá um corte levemente diferente. A altura da grama passará de 22 mm a 26 mm, em tentativa de fazer a bola correr de maneira mais regular, algo importante para o time brasileiro.

Contra o Paraguai, na quinta-feira (27), Tite imagina um cenário semelhante ao observado diante de Bolívia e Venezuela, que apostaram em propostas bastante defensivas. Interessa ao Brasil que o jogo de passes flua com agilidade para que se quebre a marcação, daí a preocupação que o terreno de jogo esteja em condições razoáveis.

Veja também

Linhas do TI Joana Bezerra que deveriam operar com redução de passageiros seguem com lotação
Ônibus

Linhas do TI Joana Bezerra que deveriam operar com redução de passageiros seguem com lotação

Após críticas, Ministério da Saúde retira do ar aplicativo que indicava remédios sem eficácia
Coronavírus

Após críticas, Ministério da Saúde retira do ar aplicativo que indicava remédios sem eficácia