Greve dos médicos do Recife deixa cinco mil sem atendimento

Segundo o Simepe, aproximadamente cinco mil pessoas vão ficar sem atendimento nas unidades de saúde da cidade

Greve dos médicos do Recife paralisa atendimentos na cidadeGreve dos médicos do Recife paralisa atendimentos na cidade - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

A greve dos médicos municipais do Recife foi deflagrada nesta quinta-feira (18). A principal reclamação é a insegurança, por conta da retirada dos serviços de segurança em 2016. Segundo o Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe), são aproximadamente cinco mil pessoas sem atendimento nas unidades de saúde da cidade.

Além da falta de segurança, as reivindicações da categoria incluem pedidos por melhorias nas estruturas físicas das unidades, aumento salarial, readequação de novos profissionais e uma política de abastecimento de medicamentos e utensílios básicos para o atendimento.

Leia também:
Médicos do Recife deflagram greve e convocam prefeito para reunião


O Simepe alega a falta de diálogo do governo e a previsão é que se estenda para os próximos dias. “Não adianta o prefeito estar aberto a escutar se ele não faz nenhuma proposição sobre nossas reivindicações. É o mesmo que nada”, destacou o presidente do Simepe, Tadeu Alencar.

A greve se estenderá pelo menos até quinta-feira da próxima semana (25), quando a categoria aguarda chegar a um denominador comum com a Prefeitura do Recife. Caso não haja acordo, a paralisação se estenderá podendo afetar outras áreas da saúde.

Atendimento
Os atendimentos nas Unidades de Saúde da Família (USF) e Centro de Apoio Psicosocial (CAP) estão paralisados. De acordo com o Simepe, são 251 equipes médicas que integram esses núcleos e todas estão aderindo à greve. A paralisação só não afeta os serviços de maternidade, emergência e urgência, realizados nas policlínicas.

No posto de saúde União da Vila, no Espinheiro, Zona Norte, a situação estrutural é precária. Fiações expostas, acúmulo de lixo, falta de torneiras, água parada e materiais inutilizados são alguns dos problemas do posto de saúde que há 4 meses era improvisado em um contêiner. “Este já é o upgrade e tá assim”, observou Tadeu Alencar, presidente do Simepe.

A idosa Amara da Silva, 56 anos, foi ao posto União da Vila realizar a consulta que dará continuidade à sua medicação, mas não encontrou atendimento. “Eu venho aqui de três em três meses e sem essa receita vou ficar sem remédio”.

Resposta

Em nota, a Secretaria de Saúde do Recife afirma ter realizado várias reuniões de negociação com o Simepe e diz continuar aberta ao diálogo com a categoria.

Confira a nota na íntegra:

A Prefeitura do Recife informa que realizou diversas reuniões de negociação com o Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe) e continua aberta ao diálogo. Os médicos servidores do município tiveram ganhos cerca de 10% acima da inflação desde 2013. Foram nomeados 767 novos médicos no período. Com relação às condições de trabalho, a Prefeitura realizou, em apenas cinco anos, R$ 200 milhões de investimentos nas unidades de saúde, o que é mais do que os 10 anos anteriores.

Veja também

Mundo supera 12 milhões de casos coronavírus
Coronavírus

Mundo supera 12 milhões de casos coronavírus

ONU prevê temperaturas mais altas até 2024
CLIMA

ONU prevê temperaturas mais altas até 2024