Greve e protestos com 14 mil pessoas paralisam Hong Kong

Vários ativistas invadiram as principais estações de Metrô, impedindo a partida das composições

Greve e protestos em Hong KongGreve e protestos em Hong Kong - Foto: Philip Pacheco/ AFP

Motoristas, funcionários públicos, comissários de bordo e pilotos, entre outros, decidiram fazer greve, garantindo que telefonariam para dizer que estavam doentes. Assim começou nesta segunda-feira (5) a nona semana consecutiva de protestos em Hong Kong.

Mais de 14 mil pessoas de 20 setores laborais aderiram aos protestos. Vários ativistas invadiram as principais estações de Metrô, impedindo a partida das composições.

Os distúrbios também se verificaram no aeroporto internacional de Hong Kong, um dos mais movimentados do mundo e mais de 200 voos foram cancelados. A maioria dos voos cancelados é de operadoras locais como a Hong Kong Airlines e a Cathay Pacific.

Leia também:
Novos protestos tomam as ruas de Hong Kong
Protesto contra buracos fecha Estrada da Muribeca, em Jaboatão


Entre os manifestantes, encontram-se também funcionários públicos. Por outro lado, várias lojas e serviços também fecharam nesta segunda-feira por conta dos efeitos da paralisação.

A chefe do governo autônomo de Hong Kong, Carrie Lam, disse que os protestos estão empurrando a cidade para uma situação muito perigosa.

Carrie Lam acusa os manifestantes de provocarem a desordem pública num dia de greve geral que paralisou por completo os serviços de transporte.

A polícia de Hong Kong voltou a lançar gás lacrimogêneo sobre a população. Desde que os protestos começaram, há dois meses, já foram detidas mais de 400 manifestantes, que exigem a independência em relação à China.

Veja também

Agravamento de incêndios em Mato Grosso do Sul mobiliza senadores
Pantanal

Agravamento de incêndios em Mato Grosso do Sul mobiliza senadores

A influência dos candidatos a prefeito do Recife nas redes sociais
Eleições

A influência dos candidatos a prefeito do Recife nas redes sociais