A-A+

Grupo de ateus vai à Justiça contra Crivella por show gospel no Réveillon do Rio

O grupo pede o cancelamento do show da cantora evangélica Anayle Sullivan, previsto para a noite do próximo dia 31

Prefeito do Rio Marcelo CrivellaPrefeito do Rio Marcelo Crivella - Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

A Atea (Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos) entrou na Justiça contra a prefeitura do Rio por causa da inclusão de música gospel na programação do Réveillon de Copacabana. O grupo pede o cancelamento do show da cantora evangélica Anayle Sullivan, previsto para a noite do próximo dia 31.

Na ação civil pública, iniciada nesta quarta-feira (11), a entidade requer que o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos), que também é pastor evangélico e cantor, seja condenado a devolver aos cofres do município o valor gasto com a apresentação, se ela for mantida.

Para a Atea, o uso de recursos públicos no show desrespeita o princípio da laicidade e o entendimento de que o Estado é impedido de promover qualquer religião. Além disso, diz o grupo, ofende a liberdade de crença dos moradores e turistas que irão à festa popular.

Leia também:
Ex-dirigente de escolas de samba é pivô de investigação sobre Crivella
Bancada evangélica pode travar proposta de plantio da Cannabis


A prefeitura, que quer superar o recorde de 2,8 milhões de pessoas da edição de 2019, também programou para o evento shows de artistas como Diogo Nogueira, Ferrugem e DJ Marlboro.

Ao anunciar os detalhes, Crivella disse se tratar de uma festa com custo de mais de R$ 10 milhões. "Queria agradecer muito a todos os nossos patrocinadores", afirmou ele, no dia 3 deste mês.

O governo municipal não informou o orçamento total nem o percentual que será bancado por patrocínio. No ano passado, a prefeitura custeou R$ 6 milhões do total de R$ 13 milhões. O restante veio da iniciativa privada.

Serão quatro palcos, o principal em frente ao Copacabana Palace e outros três espalhados pela orla. Pelo planejamento, o estilo gospel será tocado por DJs em todos os espaços.

"Essa ideia de mais três palcos em Copacabana [...] também dá espaço à canção gospel, que é na nossa cidade o primeiro lugar disparado nas rádios. Essa música, pela primeira vez, terá palco especial para ela", disse o prefeito.

A ação da Atea, protocolada na 5ª Vara da Fazenda Pública do Rio, sustenta que a iniciativa desrespeita "a laicidade do Estado e, consequentemente, o patrimônio público e os interesses difusos da coletividade".

O grupo compara a inclusão de atração gospel no evento a pregação religiosa e cita jurisprudência do Tribunal de Justiça do Rio de que é vedada a realização de cultos e adorações em bens públicos.

Para a entidade, "a música gospel em nada difere, em conteúdo, da pregação religiosa habitual de pastores e ministros de confissões religiosas". Por isso, não deveria ser tocada no evento organizado pela prefeitura.

A petição, assinada pelo advogado Thales Bouchaton, afirma também que a inclusão do estilo desvirtua "o caráter laico e plural desse tradicional evento carioca".

A associação dos ateus reivindica ainda o pagamento de multa de R$ 50 mil caso o show de Anayle Sullivan ocorra e sugere que o valor seja destinado ao Comitê Nacional de Respeito à Diversidade Religiosa.

A cantora é casada com Michael Sullivan, principal parceiro musical de Crivella –o político já lançou 19 álbuns entre 1992 e 2014. O produtor assinou com ele canções de louvor como "Eu Vejo Deus".

A Riotur (empresa municipal responsável pelo evento), em nota à reportagem, contestou o pedido da Atea.

"Trata-se de uma festa democrática. Qualquer interpretação além disso parece ser uma manifestação de preconceito", afirmou.

"O Réveillon Rio 2020 será um evento grandioso e plural, contemplando todos os estilos musicais", continuou o órgão. "Os palcos espalhados pela orla de Copacabana tocarão diversos ritmos, passando pelo samba, pagode, rock, funk, gospel, entre outros."

Fundada em 2008, a Atea diz ter hoje 18 mil associados em todo o país. A organização sem fins lucrativos, com sede em São Paulo, empunha bandeiras como a preservação do Estado laico e o combate à discriminação contra ateus e agnósticos.

Em outubro, o grupo processou o presidente Jair Bolsonaro e os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), por causa dos gastos com a viagem de autoridades para a canonização de Irmã Dulce no Vaticano.

Em outra ação movida pela Atea, a Justiça de Aparecida (180 km de São Paulo) proibiu a construção de uma estátua gigante de Nossa Senhora Aparecida e determinou a retirada de cinco obras em homenagem à santa de áreas públicas da cidade.

Veja também

Homem ameaça banhista com um jacaré em praia no Rio
BRASIL

Homem ameaça banhista com um jacaré em praia no Rio

Caminhão com sucata tomba e interdita faixas da BR-232 no Curado por quase 6 horas
RECIFE

Caminhão com sucata tomba e interdita faixas da BR-232 no Curado por quase 6 horas