Grupo realiza ato pela garantia de medicamentos gratuitos

Movimento “STF, Minha Vida Não Tem Preço” protestou contra a possibilidade de o poder público deixar de suprir certos remédios

Bruno Araújo, ministro das CidadesBruno Araújo, ministro das Cidades - Foto: Jedson Nobre/Arquivo Folha

O movimento “STF, Minha Vida Não Tem Preço” reuniu manifestantes em todo o Brasil, neste domingo (16), em atos contra decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que pretende desobrigar o poder público de suprir os remédios de alto custo excluídos das listas dos SUS e da Anvisa. No Recife, o ato foi no Marco Zero.

Cerca de duas mil pessoas dependem do uso de remédios que não estão nas listas do SUS e da Anvisa, somente em Pernambuco, de acordo com levantamento da Associação Pernambucana de Mucopolisacaridose (AMPS-PE). Essas drogas são obtidas por meio de liminares na Justiça porque a maior parte das famílias dos portadores de doenças raras - 70% delas - não têm condições de arcar com os medicamentos. “É a vida dessas pessoas que está em jogo, caso o STF abra esse precedente”, apontou o presidente da AMPS-PE, Fábio Marques.

“Essa ação do Supremo é um retrocesso porque o Brasil já está atrasado. Grande parte desses medicamentos já é autorizada em outros países por entidades como a FDA (Food and Drug Administration)”, comentou a presidente da Aliança de Mães e Famílias Raras (Amar), Pollyana Dias. A professora Fátima Ribeiro, 59 anos, tem hipertensão arterial pulmonar. A droga Macitetam - a mais moderna para tratar a sua patologia, também não é liberada pela Anvisa. “É um remédio que poderia me dar uma sobrevida melhor”, lastimou. Por mês, ela gasta cerca de R$ 2,5 mil somente em medicações porque, mesmo tendo o direito ao fornecimento do tratamento garantido por liminar na Justiça, desde janeiro deste ano as drogas estão em falta na rede pública estadual. Isso porque, de acordo com o Ministério Público, a Farmácia do Estado tem um débito de R$ 23 milhões com 13 fornecedores.

A situação é ainda mais difícil para quem ganha apenas um benefício no valor do salário mínimo como Evani da Silva, 36 anos. “Não dá para comprar todos os remédios”, comentou. 

Veja também

Jovem de 18 anos é encontrada morta em cisterna de casarão em Jaboatão
Jaboatão

Jovem de 18 anos é encontrada morta em cisterna de casarão

Médium João de Deus é internado em hospital de Brasília
João de Deus

Médium João de Deus é internado em hospital de Brasília