Grupos e entidadas públicas e privadas emitem notas de repúdio aos presidenciáveis

No mês de outubro, tanto Jair Bolsonaro (PSL) como Fernando Haddad (PT) foram o alvo de documentos contra ou a sua candidatura ou a suas declarações

No mês de Outubro, tanto entidades do setor público como do setor privado emitiram notas de repúdio aos dois candidatos que estão disputando o cargo de presidente neste 2º turno das Eleições. O candidato do PSL, Jair Bolsonaro, que obteve 46,03% dos votos no 1º turno, em comparação a Fernando Haddad (PT), que recebeu 29,27% dos votos válidos, recebeu o maior número de notas contra a sua candidatura.

Ex-presos e anistiados políticos da Ditadura Militar estão realizando um abaixo assinado virtual contra o candidato Jair Bolsonaro e mostrando apoio a Fernando Haddad. O advogado e jornalista pernambucano Francisco de Assis Barreto, 71, ficou preso por quase 10 anos durante o regime militar e é um dos que assinou o abaixo assinado. “Eu vejo com muita apreensão a vitória de Bolsonaro no 2º turno. Eu temo muito por esse país e é por isso que estou deixando de lado uma prática, porque já faz mais de 10 anos que não faço política”, afirmou. O anistiado argumentou que o documento é pela democracia e pelo Estado de Direito. “Eu não gostaria que meus filhos e netos viessem a viver um período tão dramático como a minha geração viveu.” Segue abaixo o texto na íntegra feito pelo grupo:


“Repudiamos o nazifascismo

e apoiamos Fernando Haddad

Nós, ex-presos(as) e anistiados(as) políticos(as), declaramos nosso apoio à candidatura de Fernando Haddad a presidente da República. Temos uma longa luta em defesa das liberdades democráticas. Combatemos a ditadura implantada com o golpe de Estado de 1964. E, 33 anos após o fim oficial do regime militar, continuamos empenhados no aprofundamento das conquistas democráticas do povo brasileiro.

Somos sobreviventes. Todas e todos conhecemos os porões do Estado terrorista. Carregamos, ainda hoje, as indeléveis marcas das torturas que dilaceraram nosso corpo e nossa alma. Testemunhamos o assassinato de companheiros(as) que ousaram defender a democracia e os direitos humanos durante a tirania que durou 21 anos e cometeu crimes de lesa-humanidade. Lamentavelmente, porém, no Brasil não foram punidos os agentes da tortura e da morte.

Sem dúvida, essa impunidade é um dos fatores que determinaram, neste ano de 2018, o surgimento de um candidato a presidente da República que defende a ditadura e até homenageia torturadores. Esse candidato é o capitão reformado Jair Bolsonaro, que disputa o segundo turno das eleições presidenciais. Dentre as suas absurdas, esdrúxulas e fascistas declarações, ele afirma que o erro da ditadura foi ter deixado vivos muitos dos presos políticos que torturou.

Informa ter à sua cabeceira o livro do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, comandante do DOI-Codi de São Paulo (principal centro de terror da América Latina), a quem presta homenagem e de quem imprime a foto em camisetas dos seus cabos eleitorais. Apesar de tudo isso, com suas mentiras, calúnias e difamações ele consegue iludir e engana uma parcela significativa dos eleitores. Portanto, não deixa de representar um elevado risco para todos(as) nós e para o conjunto da população.

O candidato e seu vice (também militar) não deixam de derramar o ódio sobre negros, mulheres, homossexuais, índios, pobres, mães, avós, judeus e demais imigrantes. Nunca se viu nada igual na recente história do Brasil. Por isso, diante da insidiosa campanha dos inimigos da democracia, com nossos cabelos brancos e uma inabalável responsabilidade, decidimos apoiar a candidatura de Fernando Haddad, não aceitando retrocessos nem o aniquilamento das conquistas populares.

Somos defensores(as) da justiça, da solidariedade e da paz. Repudiamos a estratégia agressiva de quem prega o combate à violência com violência maior. Valorizamos a vida e a liberdade, longe do preconceito e do ódio. Não toleramos o fascismo, o nazismo e todos os regimes e comportamentos que desqualificam e aviltam a nossa condição humana.

Ditadura nunca mais!

Goiânia, 10 de outubro de 2018”

Leia também:
Mais de 4 mil organizações emitem nota de repúdio a declaração de Bolsonaro
Haddad promete 500 mil casas e destinar áreas da União para construções


Comissões de Direitos Humanos, órgãos auxiliares e permanentes da gestão dos Conselhos Regionais de Psicologia do Brasil e o Conselho Federal de Psicologia assinaram em conjunto uma nota contra o candidato Jair Bolsonaro. As entidades falaram, na nota, que a postura do candidato é inadmissível em relação à tortura e declarações que são contraditórias ao exercício da profissão do psicólogo. “As declarações, postura e comportamento de Jair Bolsonaro, no episódio em tela, parecem-nos ser caso de apologia a um crime de lesa-humanidade, situação que, acreditamos, fere e atenta contra os princípios seminais dos direitos humanos, da Constituição Federal, do conjunto de tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário.” A nota está na íntegra no seguinte link: http://crpsp.org.br/repudiobolsonaro/

A reitoria da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF) também soltou uma nota contra o candidato do PSL e em defesa do Estado Democrático de Direito. O discurso do ódio e atos de violência não representam a identidade do povo brasileiro e põem em risco a ordem social e a consolidação de uma nação soberana, democrática e segura para todos os cidadãos. Diante de inúmeros casos de total desrespeito à vida humana, a Reitoria da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) vem a público expressar a preocupação da comunidade acadêmica face às recorrentes notícias de comportamentos agressivos que têm vitimado centenas de pessoas em todo o País, a exemplo dos recentes episódios de violência extrema que levou à morte o mestre de capoeira Romualdo Rosário da Costa – Moa do Katendê, ocorrida no estado da Bahia, e a agressão física sofrida por outro cidadão, em frente à Universidade Federal do Paraná (UFPR), atos estes que embora praticados em momentos e lugares distintos e por pessoas diferentes têm as mesmas origens – a banalização da vida, a intolerância. A nota está na íntegra no seguinte link:
http://portais.univasf.edu.br/seac-gr/noticias-seac-gr/nota-da-reitoria-da-univasf-em-defesa-do-estado-democratico-de-direito

A Igreja Universal emitiu uma nota de repúdio ao candidato Fernando Haddad em relação ao que o político afirmou sobre o líder da Universal, o bispo Edir Macedo, que declarou apoio ao candidato do PSL. “A Igreja Universal do Reino de Deus repudia as declarações caluniosas e preconceituosas do candidato Fernando Haddad, proferidas nesta sexta-feira (12). Com sua fala criminosa, o ex-prefeito de São Paulo desrespeita não apenas os mais de 7 milhões de adeptos da Universal apenas no Brasil, mas todos os brasileiros católicos e evangélicos que não querem a volta ao poder de um partido político que tem como projeto a destruição dos valores cristãos, como a família, a honra e a decência.” A nota está na íntegra no seguinte
link:https://www.universal.org/blog/2018/10/12/nota-de-repudio-haddad-faz-declaracoes-caluniosas-contra-o-lider-da-universal/


Veja também

Estudantes relatam temor de contágio e ansiedade antes do Enem
Enem

Estudantes relatam temor de contágio e ansiedade antes do Enem

Área técnica da Anvisa recomenda aprovação da Coronavac
Vacina

Área técnica da Anvisa recomenda aprovação da Coronavac