Haddad chama Mourão de torturador e lembra tortura de Geraldo Azevedo

Petista mencionou fala cantor em show dizendo que Mourão era torturador no local onde ele esteve preso, mas ele foi preso em 1969 e candidato entrou no Exército três anos depois

""Eu fiz minha parte para defender o que considero um projeto democrático de país", afirmou Haddad""Eu fiz minha parte para defender o que considero um projeto democrático de país", afirmou Haddad - Foto: Nelson Almeida/AFP

O candidato à Presidência pelo PT, Fernando Haddad, disse na manhã desta terça-feira (23) que o general Hamilton Mourão (PRTB), vice na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), foi um torturador na época da ditadura militar brasileira, que vigorou de 1964 a 1989. Haddad participou nesta terça de sabatina do jornal O Globo, Valor Econômico e revista Época.

O presidenciável se referiu ao relato feito no sábado (20) pelo cantor Geraldo Azevedo, que disse em show na Bahia que foi preso e torturado durante o regime militar.  Azevedo afirmou que Mourão era um dos torturadores do local onde ele ficou  encarcerado por 41 dias. O cantor pernambucano, contudo, foi preso em 1969 e o hoje general da reserva Mourão só ingressou no Exército em 1972.

Leia também:
Apoio a Haddad reúne 69 torcidas organizadas e líderes religiosos
Bolsonaro e Haddad expõem o estilo pessoal nesta reta final
Após declaração de Eduardo Bolsonaro sobre STF, Eymael acena a Haddad
Marina Silva declara 'voto crítico' em Fernando Haddad
Haddad defende punição exemplar a petistas que enriqueceram na política


Haddad mencionou o relato de Azevedo durante sabatina. Segundo ele, Bolsonaro, que é capitão da reserva do Exército, não teve atuação destacada quando esteve na ativa da força, diferentemente de Mourão, classificado como torturador pelo petista. Bolsonaro é descrito como um "rebotalho da ditadura". A palavra rebotalho é sinônimo de "coisa inútil e sem valor".

"Eu fiz minha parte para defender o que considero um projeto democrático de país, contra aquilo que considero que será um grande atraso, um retrocesso retumbante no país, que é a vitória de um rebotalho da ditadura, que é o que sobrou dos porões [da repressão]. O [Hamilton] Mourão foi ele próprio torturador. Então eu acho que deveria causar temor em todos os brasileiros minimamente comprometidos com a democracia no Brasil", afirmou Haddad.

Geraldo Azevedo

O cantor pernambucano reconheceu que pode ter se confundido sobre o nome de Mourão. Por meio de nota de sua assessoria de imprensa, pediu desculpas pelo transtorno, mas reafirmou a opinião de que "não há espaço no Brasil de hoje para a volta de um regime que tem a tortura como política de Estado e que cerceia as liberdades individuais e de imprensa".

Questionado sobre o caso ora esclarecido, Haddad disse que seria preciso ouvir o próprio cantor sobre suas denúncias. "Entrevista o Geraldo Azevedo", disse o presidenciável.

Veja também

Pernambuco registra 1.450 novos casos e 29 óbitos por Covid-19
Coronavírus

Pernambuco registra 1.450 novos casos e 29 óbitos por Covid-19

Covid-19: entidade orienta sobre vacinação em pacientes reumáticos
Saúde

Covid-19: entidade orienta sobre vacinação em pacientes reumáticos