Coronavírus

Havana deixa o confinamento e toda Cuba volta ao normal após coronavírus

Grande parte do território cubano não apresenta casos de Covid-19 há várias semanas; capital passará por retomada gradual

Médicos cubanosMédicos cubanos - Foto: Lionel CHAMOISEAU / AFP

Havana, o último reduto do coronavírus em Cuba, gradualmente retomará suas atividades a partir desta sexta-feira, embora sem turistas estrangeiros, juntando-se ao restante do território que já iniciou uma gradual flexibilização das medidas de combate à Covid-19, após mais de 100 dias de confinamento.

Conforme detalhado pelo primeiro-ministro Manuel Marrero, nesta quarta-feira, após avaliar a situação, o governo autorizou "o início em Havana da primeira etapa, em sua primeira fase, da recuperação a partir da próxima sexta-feira, 3 de julho". 

A primeira fase envolve o reativação gradual do transporte público e algumas atividades comerciais e de serviços, além do deslocamento de cidadãos que cumprem medidas de distância física. Somente o turismo local é permitido. 
 

Nesta quarta-feira, a ilha de 11,2 milhões de habitantes registrou um total de 2.348 casos, com 2.218 recuperados e 86 mortes, de modo que o novo coronavírus é considerado sob controle. 

Grande parte do território cubano não apresenta casos de Covid-19 há várias semanas, depois que as fronteiras foram fechadas em 24 de março e os pacientes e seus contatos foram isolados nos últimos 15 dias, para evitar mais contágio.

Veja também

Argentinos reagem a liberação de repressor durante pandemia
Argentina

Argentinos reagem a liberação de repressor durante pandemia

Sobreviventes idosos fazem últimos apelos 75 anos após bombardeio atômico no Japão
Mundo

Sobreviventes idosos fazem últimos apelos 75 anos após bombardeio atômico no Japão