saúde

Hipertensão cresce em crianças

Prevalência em meninos e meninas chega a 5%, segundo levantamento da Sociedade Brasileira de Hipertensão

O diagnóstico precoce  é regra de ouro para  qualquer idadeO diagnóstico precoce é regra de ouro para qualquer idade - Foto: divulgação

Doença crônica de alta prevalência no Brasil e no mundo, a hipertensão arterial é um dos grandes desafios da saúde pública. Segundo a Sociedade Brasileira de Hipertensão, apenas no País, a estimativa é que mais de 35 milhões de adultos tenham a doença, que, se não tratada de forma adequada, pode resultar em graves problemas como infarto, Acidente Vascular Cerebral (SCV) e insuficiência renal. Longe de ser um problema apenas dos mais velhos, a enfermidade também tem ficado frequente nas crianças. Atualmente, ainda de acordo com o órgão, nos meninos e meninas brasileiros, há uma prevalência superior a 5% da doença. Durante esta semana, a enfermidade ganha ainda mais destaque já que na sexta-feira é o Dia Nacional de Prevenção e Combate a Hipertensão. O diagnóstico precoce é regra de ouro para qualquer idade.

O coordenador da unidade de Nefrologia Pediátrica do Imip, José Pacheco, comentou que mudanças no padrão de comportamento e de alimentação têm impactado na pressão arterial de crianças para a ocorrência da hipertensão primária. Entre os principais vilões estão a inatividade física e o consumo precoce de alimentos industrializados, que são riquíssimos em sal. “A introdução precoce, antes do 2º ano de vida, de alimentos ricos em açúcar e sal, fazem com que as crianças abandonem as frutas, verduras e legumes, porque passam a não ter ‘gosto’ mais para elas. A papilas da língua, o paladar, se estabelecem por volta dos 2 anos de idade, então se antes desse período você começa a introduzir alimentos ricos em açúcar e sal eles vão abandonar a papinha de fruta e de legumes, gerando uma mudança do padrão alimentar e aumento da obesidade já na infância. Obesas elas também aumentam em 30 vezes a probabilidade de ter elevação da pressão”, explicou.

José Pacheco destaca a aferição da pressão na criança tem critérios diferentes da do adulto. Nos mais velhos o parâmetro é o 140 por 90, mas nos pequenos o cálculo leva em consideração a altura, sexo e peso. E nas crianças a hipertensão é ainda mais silenciosa. “É discreta e, inicialmente, não produz sintoma nenhum. Se o pediatra não aferir a pressão arterial na rotina do exame físico não vai dar o diagnostico precoce”, disse. De acordo com ele, o estabelecido pela Sociedade Americana de Pediatria é que os bebês saudáveis precisam ter a pressão aferida anualmente a partir do 3º ano de vida. Mas os bebês abaixo de três anos com fatores de risco como baixo peso ao nascer, prematuridade, internamento em UTI, distúrbio pulmonar e uso prolongador de respirador necessitam de aferição rotineira.
Outro fator de alerta desde a infância é a hereditariedade. Indivíduos com pais ou avós com histórico de hipertensão devem redobrar os cuidados em qualquer época da vida. O coordenador de Clínica Médica do Hospital Miguel Arraes, Fábio Queiroga, comentou ainda que a doença tem uma ocorrência maior também na população negra, herança da própria etnia. “O negro tem mais hipertensão e tem mais hipertensão de difícil controle.”

De forma geral, indivíduos adultos completamente saudáveis devem aferir a pressão ao menos uma vez ao ano. Aqueles já hipertensos devem ampliar essa frequência, além de seguir as orientações médicas para controlar a enfermidade. Sobre a popularidade dos tensiômetros eletrônicos, o médico esclarece que o equipamento é útil, mas é preciso certa cautela. “Esses tensiômetros são interessantes para você ter um parâmetro. A maioria deles tem um poder de medição que não é tão certo. Mas ajuda ter o aparelho em casa, anotar e quando for ao médico informar como essa curva de pressão se comportou.”

Vigitel
O último levantamento de Vigilância de Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), realizado pelo Ministério da Saúde em 2018, e que leva em conta as capitais brasileiras, aponta que a frequência de adultos que referiram diagnóstico médico de hipertensão foi de 16,1% (em Palmas) a 30,7% (no Rio de Janeiro). Nessa escala, o Recife teve percentual foi 26,3%. Chama atenção, no entanto, que a cidade pernambucana ficou na segunda posição quando se observa pacientes do sexo feminino. Entre mulheres, as maiores frequências foram observadas no Rio de Janeiro (34,7%), Recife (30,0%) e Salvador (28,7%).

Veja também

Saiba quem são os neonazistas que defendem na Alemanha que 3º Reich de Hitler não acabou
"Cidadãos do Reich"

Saiba quem são os neonazistas que defendem na Alemanha que 3º Reich de Hitler não acabou

ONG diz que Equador viola direitos humanos sob a declaração de conflito armado interno
Human Rights Watch

ONG diz que Equador viola direitos humanos sob a declaração de conflito armado interno

Newsletter