Justiça

Homens ligados a caso de narcotráfico do Brasil desaparecem na Libéria

Eles foram presos por um carregamento de 520 quilos de cocaína provenientes do Brasil

Fruto da cooperação com os Estados Unidos e o Brasil, esta é uma das apreensões mais importantes já realizadas no país.Fruto da cooperação com os Estados Unidos e o Brasil, esta é uma das apreensões mais importantes já realizadas no país. - Foto: Freepik

As autoridades de Libéria reconheceram, nesta segunda-feira (22), que perderam a pista de quatro homens recentemente julgados e absolvidos após a apreensão de um carregamento de 520 quilos de cocaína provenientes do Brasil, uma sentença que chocou o ministro da Justiça do país africano.

Em 18 de maio, um tribunal penal de Monróvia causou sensação ao declarar não culpados um liberiano, um cidadão de Guiné Bissau, um português e um libanês detidos por relação com a apreensão, em outubro de 2022, de 520 quilos de cocaína - com valor estimado em 100 milhões de dólares (R$ 496 milhões na cotação atual) - escondidos, segundo as autoridades, em um contêiner proveniente do Brasil.

Fruto da cooperação com os Estados Unidos e o Brasil, esta é uma das apreensões mais importantes já realizadas no país.

A decisão pronunciada por um júri popular foi ainda mais surpreendente, já que o tribunal ordenou a restituição aos suspeitos de 200.000 dólares (quase R$ 1 milhão) confiscados na operação.

O caso revela o papel do litoral da África Ocidental nas rotas do tráfico de droga proveniente da América do Sul, especialmente destinada à Europa, assim como o funcionamento da Justiça e sua exposição à corrupção.

A decisão do tribunal "torna a Libéria motivo de chacota internacional", disse o ministro da Justiça Frank Musah Dean Jr em comunicado.

Isso "afeta claramente os esforços coletivos realizados pela Libéria e seus aliados internacionais para lutar contra o tráfico de drogas ilícitas, e contra a utilização da África Ocidental como rota de comércio internacional proveniente da América Latina e de outras partes", acrescentou o ministro na nota.

Ele também questionou a utilização de júris populares no país. "Fala-se constantemente da prática imoral de subornar o júri durante esses julgamentos", escreveu.

Em seu relatório sobre direitos humanos na Libéria em 2022, o Departamento de Estado dos Estados Unidos observa que os juízes "estão sujeitos a tentativas de influência e envolvidos em corrupção".

"Advogados e promotores supostamente instruíram os réus a pagar propinas para obter decisões favoráveis de juízes, promotores e jurados", diz o documento.

Veja também

Fiocruz alerta para circulação simultânea da covid-19 e gripe
SAÚDE

Fiocruz alerta para circulação simultânea da covid-19 e gripe

Imip oferece bolsas de estudo gratuitas no curso técnico de enfermagem para pessoas com deficiência
Recife

Imip oferece bolsas de estudo gratuitas no curso técnico de enfermagem para pessoas com deficiência