A-A+

Homicídios caem 21,4% de janeiro a setembro de 2019

Roubo e estupro também caíram na comparação com mesmo período de 2018

Segundo o ministro Sergio Moro, 8.267 pessoas deixaram de ser mortasSegundo o ministro Sergio Moro, 8.267 pessoas deixaram de ser mortas - Foto: Fernando Frazão/Arquivo Agência Brasil

O Ministério da Justiça e Segurança Pública informou nesta quinta-feira (16) que o país registrou queda de 21,4% nos homicídios nos primeiros nove meses de 2019, em comparação com o igual período de 2018. No mesmo período, também houve queda em outros índices de criminalidade, como ocorrências envolvendo estupro (6,4%), roubo a banco (38,4%), latrocínio (22,2%), roubo de cargas (23,3%) e roubo de veículos (26,4%).

Na avaliação do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, os dados confirmam a tendência de queda dos índices criminais em todo o país durante os primeiros meses do governo. Segundo o ministro, 8.267 pessoas deixaram de ser mortas a partir de medidas tomadas contra o crime organizado e de combate à corrupção.

"Uma queda de mais de 20% é um número que tem que ser comemorado. É claro que os números remanescentes ainda são muitos altos, e o governo federal vai trabalhar para diminuí-los", disse Moro.

Leia também:
Paulista registra 36,4% de redução nos homicídios durante atuação da Força Nacional
Ações integradas resultaram na redução de homicídios, aponta Moro
Pernambuco registra queda de 20% na taxa de homicídios 

Plataforma eletrônica
As informações sobre os índices de criminalidade estão disponíveis na plataforma eletrônica Sinesp, no site do Ministério da Justiça. A partir de hoje, as ocorrências de homicídios registradas em todos os municípios do país serão inseridas no sistema e poderão ser consultadas. Até o momento, os dados referem-se ao período entre janeiro de 2018 e setembro de 2019.

Em sua conta no Twitter, Moro comemorou os dados e anunciou a nova plataforma.

Veja também

Preocupação com falta de mão de obra cresce na indústria, diz CNI
CNI

Preocupação com falta de mão de obra cresce na indústria, diz CNI

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar
Direitos Humanos

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar