Notícias

Hospital brasileiro cria teste de larga escala para Covid-19

Previsão é de que esteja disponível para entrar na rotina do laboratório do Hospital Albert Einstein dentro de três semanas, até o início de junho

Exame pode ser alternativa para detectar mais rápido a doençaExame pode ser alternativa para detectar mais rápido a doença - Foto: Divulgação

O Hospital Israelita Albert Einstein, de São Paulo, desenvolveu um novo teste para detecção de Covid-19. Divulgado nessa quinta-feira (21), o exame, segundo o hospital, não apresenta casos de falso-positivo e tem um volume de processamento de até 1.536 amostras, ou seja, 16 vezes maior do que o método RT-PCR, tido como padrão em vários países, pode oferecer.

“A nova tecnologia amplia a capacidade mundial de diagnóstico, início rápido de tratamento e de isolamento dos doentes e contactantes”, disse Sidney Klajner, médico e presidente da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein.

Leia também:
Covid-19 atinge 62% dos municípios brasileiros; 24% registram mortes
Olinda inicia testes rápidos de Covid-19 em unidade móvel

Desta forma, o exame pode ser uma alternativa para a testagem da doença em larga escala. A previsão é de que esteja disponível para entrar na rotina do laboratório do hospital paulistano dentro de três semanas.

A análise dos resultados do exame é realizada por meio de uma plataforma de bioinformática chamada Varstation, também criada pelo hospital. Segundo o bioinformata Murilo Cervato, um dos responsáveis pela patente no Einstein, os resultados ficam prontos em três dias, mas as equipes já trabalham para reduzir este prazo.

Como é feito o teste
A coleta é feita por hastes flexíveis em contato com a saliva ou região nasal. Na sequência vem a obtenção do material genético do vírus (o RNA), que leva cerca de 30 minutos, com o uso de reagentes de acordo com protocolo feito pelo Albert Einstein.

Em seguida, para amplificar o material genético, os cientistas usam uma enzima para transformar o RNA do vírus em DNA complementar, chamado de cDNA.

Para a fase de biblioteca de sequenciamento, utilizam-se de fitas simples de DNA (os primers universais) para ajudar na amplificação do material genético em 100 milhões de vezes. No sequenciamento do DNA, se determina a sequência de letras que compõem o genoma completo do vírus.

Por fim, a análise dos dados é feita em uma ferramenta também desenvolvida pelo hospital paulistano, por meio de uma sequência de instruções computacionais, compostos por um algoritmo de inteligência artificial que identifica os pacientes e seus respectivos resultados, que saem em até três dias.

Veja também

Prefeitura inicia construção do Compaz Paulo Freire, no bairro do Ibura
Social

Prefeitura inicia construção do Compaz Paulo Freire, no bairro do Ibura

Polícia registra 12 ocorrências após show de João Gomes, maioria furto ou extravio de objetos
Marco Zero

Polícia registra 12 ocorrências após show de João Gomes, maioria furto ou extravio de objetos