EDUCAÇÃO

IBGE: Analfabetismo cai em 2022, mas taxa continua mais alta entre negros, idosos e nordestinos

Número de pessoas que não sabem ler nem escrever chegou a 9,6 milhões no ano passado, cerca de 1,4 milhão a menos que em 2019, último dado divulgado pela Pnad Contínua

Sala de aulaSala de aula - Foto: Alessandro Potter/PCR

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, divulgados nesta quarta-feira (7) pelo IBGE, apontam que a taxa de analfabetismo caiu no Brasil. Em 2019 ela era de 6,1%, e em 2022 recuou para 5,6%. O percentual de pretos, pardos, idosos e nordestinos que não sabem ler e escrever, no entanto, continua sendo o mais alto.

Segundo a pesquisa, das 9,6 milhões de pessoas com 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever, cerca de 5,3 milhões vivem no Nordeste e 5,2 milhões têm 60 anos ou mais. No estudo divulgado em 2020, referente ao ano anterior, cerca de 11 milhões de brasileiros eram analfabetos, sendo a maioria negros e nordestinos.

Os estados com as maiores taxas de analfabetismo são o Piauí, Alagoas e a Paraíba. Já as menores ocorrem no Distrito Federal, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina.

Os dados são comparados à pesquisa de 2019, divulgada em 2020, visto que a Pnad Contínua não foi realizada nos dois últimos anos devido à pandemia da Covid-19.
 

Negros e idosos menos escolarizados
Repetindo a série histórica, o analfabetismo é maior entre as pessoas pretas ou pardas: a média nacional é de 7,4%, mais que o dobro da taxa encontrada entre as pessoas brancas, de 3,4%. No grupo etário de idosos pretos ou pardos ela chegava a mais de 23% das pessoas, contra apenas 9,3% dos autodeclarados brancos.

Por sexo também há diferenciações. O analfabetismo é menor entre as mulheres para a população de 15 anos ou mais, mas se reverte quando a idade sobe para 60 anos.

— Estamos distante da proposta de erradicação do analfabetismo em 2024. A meta de 2015 de redução só foi alcançada em 2017. O panorama atual é a manutenção da redução do analfabetismo no ensino básico e fundamental, contribuindo para essa queda gradativa da taxa — explica Adriana Beringuy, coordenadora de Pesquisas por Amostra de Domicílios do IBGE.

Ensino médio completo cresce entre pessoas com mais de 25 anos
Pela primeira vez, mais da metade (53,2%) da população de 25 anos ou mais concluiu, pelo menos, o ensino médio. No entanto, para as pessoas de cor preta ou parda, esse percentual foi de 47%, enquanto entre as brancas a proporção era de 60,7%.

71% dos negros não estudam e nem concluíram graduação
Na população de 18 a 24 anos, 36,7% dos brancos estavam estudando, enquanto entre negros a taxa foi de 26,2%.

Entre os brancos, nesse grupo etário que frequentavam escola, 29,2% cursavam graduação, contra 15,3% das pessoas de cor preta ou parda. Além disso, 71% dos negras nessa idade não estudavam nem tinham concluído o nível superior, enquanto entre os brancos este percentual foi de 57,3%.

A necessidade de trabalhar foi a principal justificativa dos jovens com 14 a 29 anos de idade para abandonarem a escola.

Entre as pessoas de 15 a 29 anos de idade do país, 20% não estavam ocupadas nem estudando em 2022.

Veja também

Preso em Pernambuco empresário de 56 anos suspeito de matar namorada de 15 na Paraíba
POLÍCIA

Preso em Pernambuco empresário de 56 anos suspeito de matar namorada de 15 na Paraíba

Candidato a vice de Trump homenageia a avó, dona de 19 armas
EUA

Candidato a vice de Trump homenageia a avó, dona de 19 armas

Newsletter