Ida e volta mais pesadas no bolso

A partir desta segunda-feira (16), quem for de ônibus para seus compromissos vai se deparar com o aumento das passagens que começou a vigorar

ÔnibusÔnibus - Foto: Felipe Ribeiro/Folha de Pernambuco

 

Na primeira segunda-feira após o aumento de 14,26% na tarifa de ônibus na Região Metropolitana (RMR), o ir e vir fica mais caro para quase 1,8 milhão de passageiros. O anel A, ao qual recorrem 85% dos usuários, subiu de R$ 2,80 para R$ 3,20. Já o B passou de R$ 3,85 para R$ 4,40; o D, de R$ 3 para R$ 3,45; e o G, de R$ 1,80 para R$ 2,10.

Após homologado pela Agência Reguladora de Pernambuco (Arpe), o reajuste, definido na sexta-feira pelo Conselho Superior de Transporte Metropolitano (CSTM), passou a vigorar ontem, mas aos domingos só a meia-passagem é cobrada. Hoje, membros da Frente de Luta pelo Transporte Público pretendem se reunir para discutir atos contra o aumento e, amanhã, haverá um protesto.

O aumento acima da inflação acumulada nos últimos 12 meses, de 6,28%, vai castigar, sobretudo, a população assalariada que não tem alternativa ao transporte público. Quem usa o anel A e gastava, por mês, R$ 123,20 para ida e volta, por exemplo, passa a ter que desembolsar R$ 140,80. No anel B, esse custo sai de R$ 169,40 para R$ 193,60.

Não à toa, passageiras como a autônoma Ana Paula Oliveira dizem que vão sentir o peso do reajuste. “Saí hoje [ontem] cedo e agora, estou voltando [do Centro do Recife] para São Lourenço da Mata. Mesmo tendo meia-passagem em dia de hoje, fica pesado, e ao longo da semana, nem se fala”, comentou. O estudante Marcos Vinícius, 22, também criticou o reajuste. “Foi acima da inflação, do aumento dos salários e, pior, ninguém vê isso se traduzir em melhorias. A qualidade dos ônibus não acompanha o que se cobra por ele”, avaliou.

Na reunião do CSTM, uma das propostas do Grande Recife Consórcio de Transporte até previa um reajuste tarifário menor, mas sem renovação da frota. O índice que acabou sendo aprovado foi maior e está atrelado à aquisição, por parte das empresas, de 467 novos ônibus até o fim deste ano.

Também foi determinada a instalação de quatro câmeras de alta definição em toda a frota como forma de ajudar as autoridades a combater assaltos dentro do transporte. A Secretaria das Cidades ainda ressaltou que a tarifa de ônibus da RMR é a sétima menor do País. O Sindicato das Empresas de Transporte (Urbana-PE) havia solicitado aumento de 33,9%.

Zona Azul
Nesta segunda (16) também começa a valer o novo preço da Zona Azul, sistema de estacionamento rotativo que disponibiliza três mil vagas no Centro do Recife e no bairro da Madalena, na Zona Oeste. O bilhete sobe de R$ 1 para R$ 3, e o talão, de R$ 10 para R$ 30. A Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU) garantiu que, nesta segunda-feira, os cartões - em falta há quase duas semanas - voltariam a ser vendidos. Já a aplicação de multas para quem estacionar o veículo e não utilizar o bilhete volta a ocorrer na próxima quarta-feira (18).

Quem tiver bilhetes e talões no preço antigo pode usá-los nos próximos 60 dias. A Zona Azul não tinha o valor corrigido desde 1998. Ao longo deste ano, a CTTU espera levar o sistema para o entorno de mercados públicos e implantar um meio eletrônico de cobrança e gestão das vagas.

 

Veja também

Estudo da UnB investiga cepas do coronavírus Sars-CoV-2 encontradas no DF
Coronavírus

Estudo da UnB investiga cepas do coronavírus Sars-CoV-2 encontradas no DF

Plano do governo apresenta metas para reduzir desmatamento na Amazônia
Meio Ambiente

Plano do governo apresenta metas para reduzir desmatamento na Amazônia