Idosa é presa tentando regularizar CPF com documento falso em Caruaru

Uma mulher e um homem acompanhavam a idosa. Segundo a PF, há suspeita de associação criminosa por aposentadorias

Idosa foi presa tentando usar documentos falsosIdosa foi presa tentando usar documentos falsos - Foto: Divulgação/Polícia Federal

Uma idosa foi presa em Caruaru, no Agreste pernambucano, no último dia 3, suspeita de tentar usar documentos falsos para regularizar CPFs falsos na Receita Federal.

Segundo a Polícia Federal (PF), Ismerinda de Souza, 68, apresentou uma carteira de identidade expedida no Rio Grande do Norte, o que causou uma suspeita nos agentes da Receita, que a questionaram acerca do nome da mãe e o município onde nasceu. A idosa não soube responder às questões e foi encaminhada, junto a duas pessoas que a acompanhavam, à sede da PF em Caruaru. A PF suspeita que o caso esteja relacionado à um golpe aplicado para contrair aposentadorias de forma fraudulenta.

A suspeita estava com o CPF suspenso e, segundo a PF, já havia tentado aplicar o mesmo golpe no Rio Grande do Norte, no Ceará e na Paraíba. No dia da prisão, duas pessoas acompanhavam a idosa e também foram presas. José Roberto Pereira, 47, tentou escapar quando foi abordado pela segurança e Marciane Siqueira Monteiro, 31, que disse estar apenas acompanhando a vizinha.  

Leia também:
Preso segundo suspeito de latrocínio de idoso no Centro do Recife
PF prende advogado suspeito de aplicar golpes nos clientes

De acordo com a PF, a idosa foi autuada por usar documentos falsos e, caso seja condenada, poderá pegar penas de 2 a 6 anos de prisão. As pessoas que acompanhavam a suspeita foram indiciados por associação criminosa e foram liberadas após o pagamento da fiança. Já a idosa foi encaminhada à penitenciária feminina em Buíque, também no agreste.

Veja também

Classes mais altas têm maior potencial de contaminação em repique de casos, diz infectologista
Coronavírus

Classes mais altas têm maior potencial de contaminação em repique de casos, diz infectologista

Protestos contra violência policial deixam 56 mortos e fecham escolas na Nigéria
internacional

Protestos contra violência policial deixam 56 mortos e fecham escolas na Nigéria