Idosos repudiam redução de assentos prioritários nos ônibus

Segundo os usuários afetados pela mudança, decisão do Conselho de Transporte Metropolitano cria mais transtornos para os passageiros

A área reservada aos idosos, muitas vezes, não é respeitada. Eles alertam que, entrando pela porta traseira, terão que contar com o bom senso dos demais usuários ou viajar de pé, no caso de veículos lotadosA área reservada aos idosos, muitas vezes, não é respeitada. Eles alertam que, entrando pela porta traseira, terão que contar com o bom senso dos demais usuários ou viajar de pé, no caso de veículos lotados - Foto: Arthur de Souza

Os idosos já perceberam que, enquanto usuários do transporte público, terão mais um problema para administrar. Com a redução dos assentos reservados para eles, a disputa por um lugar ficou ainda mais acirrada. “Temos zero chance de ir sentados agora, pelo visto“, avaliou a copeira Francisca da Silva, 65 anos. Ela relatou que na última terça-feira fez toda a viagem de volta para casa, por duas horas, de pé - justamente no dia em que o Conselho Superior de Transporte Metropolitano aprovou, definitivamente, a redução dessas prioridades localizadas antes da catraca e o aumento das vagas para cadeirantes e cães-guia.

A autorização veio acompanhada da permissão para a abertura das portas central e traseira dos coletivos para embarque dos passageiros idosos. No entanto, observando a movimentação em várias paradas de ônibus do Centro do Recife, a reportagem flagrou motoristas que não cumpriram a norma. Em uma das paradas da praça do Derby, um grupo de idosos precisou bater no ônibus para ser atendido. “Essa diminuição de assentos é uma inconsequência. A população idosa é muito numerosa, isso vai gerar constrangimentos. Às vezes, prefiro esperar um ônibus que venha mais vazio do que disputar uma cadeira”, disse Maria José de Lima, 78.

Leia também: 
Conselho aprova a redução de assentos
Mais idosos têm direitos violados em Pernambuco


Maria da Conceição Duarte, 71, contou que já pegou ônibus com apenas três assentos para prioritários antes da catraca e reprovou a mudança. “Fica muito apertado para o idoso entrar e ficar na frente. Embora tenha a obrigatoriedade de abrirem as outras portas, nem todos os motoristas fazem. Eu fico constrangida porque, geralmente, a parte de trás já está lotada com pessoas sentadas. Vamos ter que depender cada vez mais que outro usuário nos ceda o lugar.”

A Folha de Pernambuco questionou o Conselho Estadual dos Direitos do Idoso em Pernambuco, ligado à Secretaria de Justiça e Direitos Humanos do Estado, sobre o novo formato. Por telefone, a vice-presidente do Conselho, Lucyana Moreira, disse que não poderia se posicionar porque a mudança ainda não foi levada à discussão. “Geralmente, recebemos a demanda do autor da lei ou do Ministério Público. Ainda não recebemos nada, então não temos previsão para colocar na pauta”, explicou.

O novo arranjo de cadeiras e vagas já estava em estudo em alguns veículos na Região Metropolitana do Recife desde o ano passado, mas a sugestão foi posta em maio de 2017. Um estudo buscou analisar se a redução para três cadeiras ajudaria a reduzir o tempo de embarque e desembarque, o tempo de viagem e a evasão de renda nos coletivos, mas observou-se que nenhum desses problemas tem relação com o número de assentos. Ainda assim, o novo layout foi aprovado. Ainda de acordo com as resoluções do conselho, nem todos os ônibus deverão reduzir suas cadeiras, mas as linhas e carros que serão modificados serão apontadas com o decorrer do tempo, sob a responsabilidade das empresas de ônibus.

Quatro empresas já possuem ônibus que circulam com a nova organização de espaço no Grande Recife. Juntas, a Metropolitana, Globo, Pedrosa e Transcol somam 44 ônibus. Os veículos BRT já possuem dois espaços em 88 deles desde 2014. Mais duas empresas deverão adicionar 150 veículos modificados à frota. De acordo com o Sindicado das Empresas de Transporte de Passageiros de Pernambuco (Urbana-PE), uma pesquisa 2015 e 2016 mostrou que um terço (1/3) dos passageiros ocupavam indevidamente a área dianteira dos veículos. O coordenador de operação do Grande Recife Consórcio de Transporte, Mário Sérgio Cornélio, lembrou que, segundo o regulamento, 10% dos assentos devem ser reservados para os idosos.

Veja também

Mais de um milhão de mortes por Covid-19 registradas no mundo, aponta agência
Covid-19

Chega a mais de 1 milhão o número de pessoas mortas por Covid-19, diz agência

Covid-19: Brasil confirma 14.318 casos e 335 mortes nas últimas 24 horas
CORONAVÍRUS

Brasil confirma 14.318 casos e 335 mortes em 24 horas