Igreja do cemitério de Bérgamo finalmente vazia de caixões

Itália demonstrado evolução na contabilização de pessoas curadas na última sexta-feira (17), quando registrou mais de 2.500

Cemitério da Igreja de Bérgamo foi esvaziado após queda do índice de mortesCemitério da Igreja de Bérgamo foi esvaziado após queda do índice de mortes - Foto: Reprodução / Twitter

"A igreja do cemitério de Bérgamo vazia. Finalmente". O prefeito da cidade italiana publicou neste sábado no Twitter uma foto do interior do templo, sem os vários caixões que o local teve que receber por várias semanas devido à pandemia de coronavírus.

A imagem e o tuíte ilustram a queda da pressão sobre a Itália e, em particular, a Lombardia, que sai de uma fase aguda da crise de saúde que provocou a morte de quase 23.000 pessoas no país, metade delas nesta região do norte.

Leia também:

Isolamento social torna avanço do coronavírus mais lento em Pernambuco e outros estados 

Menos da metade dos adultos brasileiros adota todas as medidas de prevenção ao coronavírus  Membro do Partido Democrata, Giorgio Gori é prefeito da cidade de Bérgamo, considerada na Itália a localidade-mártir da pandemia.

Em outra mensagem, publicada na quinta-feira, explicou que 795 de seus funcionários morreram entre 1 de março e 12 de abril, ou seja 626 de mais (+370%) que no mesmo período dos 10 anos anteriores.

A Itália anunciou na sexta-feira uma alta expressiva do número de curados (mais de 2.500) da COVID-19. E na Lombardia o número de pacientes na UTI ficou abaixo de mil pela primeira vez em um mês.

A região pretende começar na próxima semana exames de sangue dos profissionais de saúde de algumas cidades especialmente afetadas, como Bérgamo, Brescia, Lodi, Cremona e Milão.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

Veja também

Exames mostram novos focos de câncer nos ossos e no fígado de Covas, diz boletim
Doença

Exames mostram novos focos de câncer nos ossos e no fígado de Covas, diz boletim

Quase mil cidades temem falta de remédios do kit intubação, diz CNM
Coronavirus

Quase mil cidades temem falta de remédios do kit intubação, diz CNM