Imigrantes venezuelanos serão acolhidos em Igarassu

A maioria dos cidadãos da Venezuela solicita refúgio no Brasil, enquanto que um deles é residente brasileiro e outro, uma bebê com menos de um ano, é brasileira recém-nascida

Chegada e desembarque de grupo de venezuelanos refugiados ao Recife, em um voo da FABChegada e desembarque de grupo de venezuelanos refugiados ao Recife, em um voo da FAB - Foto: Anderson Stevens / Folha de Pernambuco

Imigrantes venezuelanos chegaram à capital pernambucana na tarde desta terça-feira (03), vindos da cidade de Boa Vista, Roraima, dentro da estratégia de interiorização dos imigrantes que vem sendo promovida pelo governo brasileiro em parceria com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), a Organização Internacional de Migração (OIM) e o Fundo das Populações das Nações Unidas (UNFPA). Todos vão ficar alojados na cidade de Igarassu, em um espaço da ONG Aldeias Infantis SOS, organização humanitária global de promoção ao desenvolvimento social.

De acordo com a Aldeias Infantis SOS Brasil, desembarcaram 69 imigrantes, sendo 18 famílias. Destes, 13 são bebês de 0 a 5 anos, 13 são crianças entre seis e 12 anos, 10 são jovens de 13 a 18 anos e 33 são adultos de 21 a 60 anos. A maioria dos imigrantes, 67, solicitou refúgio no Brasil, enquanto que um deles é residente brasileiro e outro, uma bebê com menos de um ano, é brasileira recém-nascida.

Os estrangeiros vieram de abrigos do estado Roraima e chegaram na base aérea do Recife no início da tarde em uma aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB). O grupo foi transportado em veículos do Exército até Igarassu, na Região Metropolitana do Recife, onde foram acolhidos pela Aldeias Infantis SOS em sete casas com capacidade para 10 pessoas e dispõe de cinco quartos, dois banheiros, sala e cozinha.

Leia também:
Venezuelanos desembarcam em Pernambuco nesta terça
No Planalto, Pence e Temer conversam sobre refugiados venezuelanos


O Governo do Estado, por sua vez, providenciará vagas nas escolas para as crianças e adolescentes, além de serviços de assistência, saúde e regularização de documentos para todos, bem como auxiliará os interessados em trabalhar. Outro grupo, com 45 imigrantes, seguirá para Conde, na Paraíba. E mais 50 seguem para o Rio de Janeiro.

"A princípio, o Governo Federal vai bancar os custos dos primeiros seis meses, mas estamos discutindo com o Estado, porque o alinhamento aconteceu primeiro com o Governo do Estado e, depois, veio para a questão do município", explicou o prefeito de Igarassu, Mario Ricardo.

A seleção da entidade que acolherá os imigrantes foi feita pela Organização das Nações Unidas (ONU), segundo o secretário de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude de Pernambuco, Clovis Benevides. "Nossa colaboração enquanto Governo do Estado é de oferecer o apoio e articulação da política social e também o contato com outras áreas que são essenciais, como a área dos direitos humanos, saúde", destaca o secretário.

Segundo o secretário há uma migração expressiva, com relatos de 40 mil pessoas nas zonas fronteiriças do país, mas para entrar no Brasil e participar do processo de acolhimento é preciso atender alguns critérios. "As pessoas são avaliadas em ponto de vista dos núcleos familiares, acesso a documentação básica para condições de empregabilidade e a partir daí é feito o contato com as instituições que recepcionam".

Uma entrevista coletiva está marcada para esta quarta (4) às 14h, com a direção da ONG Aldeias Infantis SOS que dará mais detalhes sobre a acolhida e os próximos passos na política social dos imigrantes.

Veja também

Com forte chuva, Florianópolis registra morte de mãe e filha em desabamento de muro
Santa Catarina

Com forte chuva, Florianópolis registra morte de mãe e filha

O mau exemplo do STF na pandemia: aglomeração, omissão de diagnóstico e tentativa de furar fila
Coronavírus

O mau exemplo do STF na pandemia: aglomeração, omissão de diagnóstico e tentativa de furar fila