Imprensa internacional repercute vantagem de Bolsonaro

The New York Times, Financial Times e El País e a rede de televisão britânica BBC emitiram alertas em seus aplicativos em todo o mundo após a confirmação do segundo turno

Jair Bolsonaro (PSL)Jair Bolsonaro (PSL) - Foto: Mauro Pimentel / AFP

A vantagem de Jair Bolsonaro (PSL) no primeiro turno da eleição presidencial deste domingo (7) -46% contra 29% do segundo colocado, o petista Fernando Haddad- foi destaque na imprensa mundial.

Os jornais The New York Times, Financial Times e El País e a rede de televisão britânica BBC emitiram alertas em seus aplicativos em todo o mundo após a confirmação do segundo turno, por volta das 21h em Brasília.

"Os votantes deram uma vitória de primeiro turno a Jair Bolsonaro, que atordoou a política tradicional ao crescer entre uma campanha presidencial lotada apesar de seu longo histórico de declarações ofensivas sobre mulheres, negros e gays", diz o texto do New York Times.

Leia também:
Bolsonaro puxa partidos nanicos de forma inédita nos governos dos estados
Eleitores de Bolsonaro são suspeitos de agressões no Recife
TSE manda remover da internet 35 'fake news' que atacam Haddad


A eleição brasileira estava no alto do site dos quatro e de outros jornais como o britânico The Guardian e o francês Le Monde. As publicações europeias referiram-se ao deputado como um candidato de extrema-direita.

"Estes resultados [...] oferecem ao candidato do Partido Social Liberal, saudoso declarado da ditadura militar, uma vantagem bem superior à apresentada nas pesquisas antes da eleição", disse a publicação francesa.

O El País relembra o histórico de declarações polêmicas. "Um político autoritário, racista, machista, homofóbico. Um adorador da ditadura que colocou o Brasil em uma de suas épocas mais escuras durante 20 anos", diz o texto. "Jair Messias Bolsonaro, o defensor dos valores mais retrógrados, esses que cada vez com mais força andam pelo mundo sem freio, acaricia a presidência do país sul-americano."

A TV Al Jazeera, do Qatar, destacou o segundo turno chamando a eleição de turbulenta. Já o Wall Street Journal coloca o deputado como se posicionando para controlar a quarta maior democracia do mundo.

A eleição também foi capa dos jornais dos países vizinhos. Além da manchete, os argentinos La Nación e Clarín traziam outros detalhes da eleição, como gráficos. O primeiro chamou a vitória parcial de Bolsonaro de contundente.

Também incluiu outros detalhes, como a derrota da ex-presidente Dilma Rousseff para o Senado em Minas Gerais, o peso da vitória do candidato do PSL em São Paulo e Rio e a situação do PT após o pleito presidencial.

No canal Telesur, mantida em maior parte pelo regime venezuelano, há destaque às declarações de Haddad de que uma vitória de Bolsonaro representaria um risco à democracia e à divisão dos votos pelo Brasil.

Visão oposta era vista no Breitbart News, da direita alternativa americana. Embora não tenha colocado em destaque a eleição, titulou: "Conservador Bolsonaro vence o primeiro turno, lidera o segundo turno contra socialista."

Veja também

Saiba como denunciar 'fura-filas' de vacinação contra Covid-19 em Pernambuco
Denúncia

Saiba como denunciar 'fura-filas' de vacinação contra Covid-19 em Pernambuco

Confaz aprova isenção do oxigênio hospitalar
Coronavírus

Confaz aprova isenção do oxigênio hospitalar