A-A+

Rússia

Incêndio em fábrica de explosivos deixa 16 mortos na Rússia

Mais de 170 bombeiros e socorristas foram mobilizados para tentar controlar as chamas

Incêndio na RússiaIncêndio na Rússia - Foto: HANDOUT / RUSSIAN EMERGENCY SITUATIONS MINISTRY / AFP

Dezesseis pessoas morreram no incêndio de uma fábrica de explosivos na região de Riazan, centro da Rússia, a 200 quilômetros de Moscou, anunciaram nesta sexta-feira (22) os serviços de emergência. 

O acidente aconteceu em uma fábrica de explosivos industriais para uso civil da empresa Elastik na região de Riazan, 200 quilômetros ao sul de Moscou.

O ministério de Situações de Emergências informou um "incêndio no final de um processo tecnológico" na fábrica, mas que "não ameaça a população das cidades vizinhas. 

As autoridades regionais anunciaram um primeiro balanço de 15 mortos, mas algumas horas depois um homem hospitalizado não resistiu aos ferimentos.

"Oficialmente, 16 pessoas morreram no incidente", informou o governo da região de Riazan em um comunicado. "Uma pessoa está desaparecida e o serviços de resgate estão procurando", completa a nota.

Mais de 170 bombeiros e socorristas, com o apoio de dezenas de veículos dos bombeiros, foram mobilizados para tentar controlar as chamas.

O ministro russo interino das Situações de Emergências, Alexander Chuprian, também visitou o local.

"Empresa estratégica"

De acordo com o site do grupo, a Elastik é considerada uma "empresa estratégica" pelo governo russo e pertence ao conglomerado estatal Rostec, que reúne várias fábricas de produtos industriais ou de alta tecnologia, tanto de uso civil como militar. 

Depois da falência em 2015, as unidades da Elastik passaram a ser utilizadas a partir de 2017 por outras empresas ativas no setor de explosivos, segundo a agência Interfax.

A unidade afetada pelo incêndio ficou totalmente destruídas, de acordo com as autoridades.

O incêndio pode ter sido provocado por uma "violação dos processos tecnológicos e das normas de segurança, segundo uma fonte das forças de segurança, citada pela agência de notícias Interfax.

O Comitê de Investigação da Rússia, responsável pelos principais casos criminais, anunciou a abertura de uma inquérito por "violação das normas de segurança em um local perigoso".

Incêndios e explosões

As explosões ou incêndios acidentais são muito frequentes na Rússia, pelo estado antigo das infraestruturas (frequentemente do período soviético) e a falta de normas de segurança. 

Em dezembro de 2020, 11 pessoas morreram em um incêndio em uma casa de repouso na região dos Urais.

Em janeiro do mesmo ano, 11 pessoas faleceram em outro incêndio em Tomsk, no centro do país, e quatro em um incidente similar em Moscou, em um refúgio para migrantes. 

O incêndio mais grave dos últimos anos aconteceu em 2018, quando 64 pessoas morreram em um centro comercial destruído pelas chamas e no qual os sistemas de alarme e saídas de emergência estavam fora de operação.

Em São Petersburgo, o fogo destruiu em abril deste ano a emblemática fábrica Nevski. O edifício, muito deteriorado e parcialmente abandonado, abrigava unidades industriais e escritórios.

Na Rússia, acidentes em fábricas e em depósitos de explosivos e fogos de artifício também são relativamente comuns, especialmente em depósitos de munições do exército.

Em outubro de 2020, um incêndio florestal se propagou para um depósito de munições na região de Riazan e provocou grandes explosões. Quase 2.000 residentes de cidades vizinhas foram obrigados a abandonar suas casas.

Veja também

Por conta de crise alérgica, show de Ney Matogrosso é remarcado no Recife
Música

Por conta de crise alérgica, show de Ney Matogrosso é remarcado no Recife

Aos 83 anos, morre o arquiteto Ruy Ohtake, filho da artista Tomie Ohtake
Luto

Aos 83 anos, morre o arquiteto Ruy Ohtake, filho da artista Tomie Ohtake