Fogo

Incêndio em prédio na Espanha se alastra em 30 minutos por 14 andares e deixa feridos

Chamas começaram no quarto piso de um edifício na cidade Valência e consumiram a estrutura rapidamente

Incêndio de grandes dimensões destrói prédio de 14 andares em Valência, EspanhaIncêndio de grandes dimensões destrói prédio de 14 andares em Valência, Espanha - Foto: Reprodução

Em apenas 30 minutos, a estrutura de um prédio de 14 andares no bairro de Campanar, em Valência, na Espanha, foi consumido por um incêndio.

Segundo o jornal El País, o acidente aconteceu nesta quinta (22), no edifício que tinha 138 apartamentos, onde viviam cerca de 450 pessoas.

Segundo a agência espanhola Efe, as chamas começaram no quinto piso do edifício, construído em 2005, e que se propagaram rapidamente pela fachada da infraestrutura. O alerta foi dado por volta das 17h30 locais.

Pelo menos 13 delas ficaram feridas, incluindo seis bombeiros. Dois deles tiveram que ser encaminhados ao hospital por inalação de fumaça e queimaduras nas mãos e um com fratura no punho.

De acordo com El Mundo, ainda há pessoas presas no interior dos apartamentos e bombeiros estão tendo dificuldade em conter as chamas perante a dimensão do incêndio e da coluna de fumaça que é vista a quilômetros de distância.

Ainda segundo o jornal espanhol, dentre os moradores resgatados, estão três adultos e uma criança de nove anos foram levados ao hospital por inalação de fumaça.

Os bombeiros ainda resgataram um pai e uma filha de uma das varandas do edifício.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A post shared by Folha de Pernambuco (@folhape)

Devido à gravidade da situação, equipes de emergência espanholas chegaram a mobilizar um hospital de campanha para o local.

A Comunidade de Valência ativou o nível dois do plano de emergência, que visa responder a ocorrências com “danos extensos”. Este nível só é acionado quando é necessária a criação de um centro de coordenação para lidar com um incidente e é necessária a mobilização de recursos extraordinários.

Em declarações à agência Efe, Esther Puchades, vice-presidente do Colégio de Engenheiros Técnicos Industriais de Valência, disse considerar que a rapidez de propagação das chamas e a voracidade do incêndio se deveu ao revestimento de poliuretano presente na fachada do edifício, o que classifica como “um produto completamente inflamável”.

“Em 2005 – data da construção do edifício danificado – a má reputação do poliuretano não era tão difundida. Hoje não é utilizado, pelo menos não dessa forma”, apontou a especialista em referência ao material que também estava presente no fogo Torre Grenfell, em Londres, em 2017.

As autoridades espanholas pediram à população, através das redes sociais, que não se aproximem daquela zona da cidade valenciana, porque “pode ser perigoso e para facilitar o trabalho das equipas de emergência”.

Veja também

Rússia acusa Otan de "incitar" Ucrânia a prolongar o conflito
guerra na ucrânia

Rússia acusa Otan de "incitar" Ucrânia a prolongar o conflito

Cientistas de Cambridge desenvolvem prótese para mão com 3º polegar; veja vídeo
ciência

Cientistas de Cambridge desenvolvem prótese para mão com 3º polegar; veja vídeo

Newsletter