Infectologista diz que a Covid-19 é uma guerra sem bombas

Demetrius Montenegro, do Oswaldo Cruz, alerta que muitos não estão acreditando na gravidade do momento

Demétrius Montenegro, médico infectologista do Hospital Universitário Oswaldo Cruz (Huoc) Demétrius Montenegro, médico infectologista do Hospital Universitário Oswaldo Cruz (Huoc)  - Foto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

Chefe do Departamento de Infectologia do Hospital Universitário Oswaldo Cruz (HUOC), uma das referências de Pernambuco no enfrentamento à Covid-19, o médico Demetrius Montenegro é um dos milhares de profissionais atuando na linha de frente dessa guerra, como ele mesmo define o momento.

E, vivendo dentro desse cenário, ele sabe como ninguém a gravidade da situação vivida no Estado, que já tem fila de espera por leitos de UTI e faz previsões ainda mais duras para o mês de maio

“É uma guerra silenciosa, ninguém escuta bomba estourando. Mas se prestar atenção no som das sirenes da ambulâncias, vai perceber um aumento. Moro em uma região da Cidade que é um corredor e a cada cinco minutos é um som de ambulância. Não vivi a primeira ou a segunda guerra, mas isso pra mim é como um bombardeio. Mesmo quando estou em casa, fora do ambiente de trabalho, da angústia de salvar pessoas, cada vez que escuto uma sirene dessa vejo que a gente está vivendo uma verdadeira guerra. Muitos não estão acreditando”, descreve Montenegro.

Leia também:
Pernambuco registra 470 novos infectados e 30 mortes pela Covid-19 em 24h
Profissionais da Saúde de Pernambuco terão suporte psicológico
Estudo dos EUA fala sobre efeito do remdesivir na Covid-19


O infectologista demonstra preocupação com o comportamento da população, que em muitos bairros do Recife e em outros municípios do Estado não tem prezado pela recomendação de isolamento e distanciamento social.

"É muito triste quando saímos do hospital, com o número de pacientes aumentando, quem está nas emergências tem situação pior ainda, e nos deparamos com as ruas lotadas, muitas pessoas, inclusive, sem máscaras. Isso é meio preocupante”, diz. "Não tem números de leitos infinitos e as pessoas precisam ter essa consciência. Não é possível abrir leitos constantemente. E se isso tem um limite, precisamos diminuir o número de pessoas expostas. A guerra começou e só tem a piorar.”

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Novas regras para restaurantes, bares e comércio em SP começam a vigorar nesta segunda
São Paulo

Novas regras para restaurantes, bares e comércio em SP começam a vigorar nesta segunda

Juízes e advogados divergem sobre projeto para apreensão em escritórios
Lei

Juízes e advogados divergem sobre projeto para apreensão em escritórios