Instalação de fraldário será obrigatória em shoppings centers e estabelecimentos similares

A lei 18.531/2018 determina um prazo de seis meses para que os proprietários adequem os banheiros ou criem espaço família acessíveis para homens e mulheres

Muitos pais reclamam sobre a ausência de espaços adequados para trocarem a fralda de seus filhosMuitos pais reclamam sobre a ausência de espaços adequados para trocarem a fralda de seus filhos - Foto: Reprodução / Facebook

Shoppings Centers e centros comerciais privados da cidade do Recife serão obrigados a instalarem fraldários em banheiros masculinos e femininos, ou, terão que adaptar um espaço para que o equipamento esteja acessível tanto a homens como as mulheres. De acordo com Projeto de Lei Nº 18.531/2018, aprovada pela Câmara Municipal e promulgada pela Prefeitura do Recife, os proprietários que não cumprirem com as exigências da lei poderão pagar multa de até R$ 10 mil reais.

Os estabelecimentos terão um prazo de seis meses para se adaptarem. “Entende-se por fraldário o ambiente reservado que disponha de bancada para troca de fraldas, de lavatórios e de equipamento para a higienização de mãos, devendo ser instalado em condições adequadas para a realização higiênica e segura da troca de fraldas de acordo com a regulamentação”, indica o primeiro artigo do projeto de lei.

Para a Diretora Comercial da Cena Comunica, Helô Paiva, a lei vem em boa hora e deveria ser estendida, principalmente a restaurantes da capital pernambucana. “É bastante difícil encontrar lugares que dispõe de fraldário ou de um espaço família. Os shoppings hoje já possuem uma mega estrutura nesse sentido. Mas em outros lugares, principalmente em restaurantes nós temos que contar com a sorte”, afirmou.

Leia também:
Shopping Igarassu abre as portas
Shoppings e lojas do Centro vão funcionar neste feriado de Nossa Sra. da Conceição


Mãe de uma menina de três anos, que já passou pelo processo do desfralde, ela conta que quando ainda precisava trocar a fralda da filha, a situação para o pai da criança era muito mais complicada. “Os lugares geralmente não tem essa sensibilidade, e meu marido sempre encontrou muita dificuldade em ter um fraldário acessível”, criticou.

Essa dificuldade apontada pelos pais em ter um local específico para trocar de fraldas é quase que unanime. A turismóloga Rafaela Rodrigues relembra que seu irmão já passou por várias situações constrangedoras para conseguir trocar a fralda da sua filha.“Ele já precisou pedir para uma mulher estranha levar ela ao banheiro feminino enquanto ele fica na porta esperando ela sair”, afirmou.

Na lei, as despesas com a execução da instalação dos fraldários ficará a cargo dos estabelecimentos. Neste caso, o professor de Educação Física Cleiton Xavier, acredita que seria menos custosos a criação de um espaço unissex. “Seria uma forma de homens e mulheres terem o mesmo acesso, mas também sou a favor de fraldários em banheiros masculinos. Muitos pais saem sozinhos com seus filhos.Vivemos num momento em que há muitos pais separados e com guarda compartilhada. O problema é que eles precisam recorrer a babás, mães, namoradas para conseguirem trocar a fralda ou higienizarem seus filhos”, comentou.

Veja também

Debate permanente deve nortear formação de conscientização geral em prol da diversidade
Respeito às diferenças

Debate permanente deve nortear formação de conscientização geral em prol da diversidade

Vacinação contra a Covid-19 no Brasil começa em ritmo lento e clima de incerteza
Zoom

Vacinação contra a Covid-19 no Brasil começa em ritmo lento e clima de incerteza