Integração temporal começa a valer neste sábado na Estação Santa Luzia

A partir deste sábado (10), começa a obrigatoriedade da utilização do Vale Eletrônico Metropolitano (VEM) na circulação nas catracas que dividem o terminal do ônibus e a estação de metrô

Integração temporalIntegração temporal - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Os usuários que utilizam o Terminal Integrado Santa Luzia, localizado no bairro da Estância, na Zona Oeste do Recife, precisam ficar atentos. É que, a partir deste sábado (10), começa a obrigatoriedade da utilização do Vale Eletrônico Metropolitano (VEM) na circulação nas catracas que dividem o terminal do ônibus e a estação de metrô. Tudo isso devido ao novo sistema de integração temporal que vem tomando conta de boa parte das estações de metrô na Região Metropolitana do Recife.

Com a mudança, os três mil usuários que diariamente fazem a integração metrô/ônibus e ônibus/metrô na estação farão o segundo embarque exclusivamente com o Vale Eletrônico Metropolitano (VEM). O acesso não terá cobrança de uma nova tarifa dentro do período de duas horas.

O passageiro que desembarcar no TI Santa Luzia e estiver indo em direção ao metrô deverá passar seu VEM na linha de bloqueio do metrô para ter acesso à Estação, sem o pagamento de uma nova tarifa.

Leia também:
Estação Santa Luzia terá integração temporal a partir de sábado
Começa a valer integração temporal do TI Recife

No sentido contrário, ao sair do metrô e entrar no TI para embarcar nas linhas 102 - TI Santa Luzia/Ibura, 106 - TI Santa Luzia/Parque Aeronáutica e 204 - TI Santa Luzia/Loteamento Jiquiá, o usuário deverá acessar o ônibus obrigatoriamente pela porta dianteira e passar o cartão no validador do coletivo, girando a catraca para completar o embarque, sem o pagamento de uma nova tarifa.

Veja também

Trump indica em discurso que considera disputar presidência em 2024
EUA

Trump indica em discurso que considera disputar presidência em 2024

Trump e toda a sua violência reanimaram a cultura, diz o crítico americano Hal Foster

Trump e toda a sua violência reanimaram a cultura, diz o crítico americano Hal Foster