A-A+

Vacina

Governo de Pernambuco autoriza redução de intervalo entre primeira e segunda doses da Pfizer

Secretário estadual de Saúde, André LongoSecretário estadual de Saúde, André Longo - Foto: Hélia Scheppa/SEI

Quem tomou, na primeira dose, a vacina da Pfizer contra a Covid-19, não terá mais que esperar três meses para receber a segunda. Em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (9), o secretário estadual de Saúde, André Longo, anunciou que os municípios estão autorizados a reduzir o intervalo entre as aplicações para 60 dias.

Assim como ocorre com a vacina da Oxford/AstraZeneca, a redução no prazo poderá ser feita caso a prefeitura tenha doses disponíveis no estoque.

“Essa já era uma definição da Câmara Técnica Nacional, que a Comissão Intergestores Bipartite (CIB) referendou. Então, não há mais por que aguardar 90 dias se há disponibilidade de doses da Pfizer”, disse.

O objetivo é agilizar a campanha de vacinação, aumentando o número de pessoas com esquema vacinal completo. “Protegendo a população, principalmente nesse momento de circulação da variante delta no País”, destacou o gestor.

O secretário disse ainda que, na próxima segunda-feira (13), a CIB, colegiado que reúne representantes das secretarias estadual e municipais de Saúde em Pernambuco, vai se reunir novamente para discutir a vacinação de reforço, com a terceira dose, nos idosos e pacientes imunossuprimidos.

Segunda dose
Ainda durante a coletiva, o secretário ressaltou a necessidade de as pessoas concluírem o esquema vacinal, tomando as duas doses. Segundo o sistema do SUS, atualizado pelos municípios, Pernambuco tem hoje 653.671 pessoas com atraso na vacinação. "Os municípios precisam convocar esse público e fazer busca ativa para que possamos garantir a proteção ideal", orientou.

Veja também

Israel detecta subvariante da cepa delta do coronavírus
Coronavírus

Israel detecta subvariante da cepa delta do coronavírus

STJ anula denúncia sobre tragédia de Brumadinho e federaliza o caso
Brumadinho

STJ anula denúncia sobre tragédia de Brumadinho e federaliza o caso