Intervenções na área do canal do Fragoso exigem paciência da população

Além dos transtornos no tráfego, donos de imóveis na região já convivem com a necessidade de deixar o local, mas não sabem quando

Trânsito ficou mais complicado próximo ao canal do FragosoTrânsito ficou mais complicado próximo ao canal do Fragoso - Foto: Arthur Mota

Para viabilizar o alargamento do canal do Fragoso, nas imediações do bairro de Jardim Atlântico, em Olinda, a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) começou, nessa segunda-feira (19), as obras de recuo do sistema de esgotamento sanitário que margeava o canal. A rua Professor Olímpio Magalhães, no trecho entre a avenida Fagundes Varela e a rua Aluísio de Azevedo, fica bloqueada até maio para a instalação de parte da nova tubulação - ficando o acesso restrito aos moradores daquela parte.

Essa é a primeira fase da intervenção, que depois irá recuar o sistema presente em outra parte da rua Olímpio Magalhães, à esquerda da avenida Fagundes Varela. A obra faz parte do programa Cidade Saneada, parceria público-privada da Compesa com a empresa BRK Ambiental, que prevê ações de saneamento em diversas localidades da Região Metropolitana do Recife.

O entorno da obra conta com diversas casas, comércios e até um terminal de ônibus. Ontem, moradores ainda estavam confusos. A funcionária pública Luana Calado, 30 anos, reside ao lado da primeira escavação e se disse surpresa. “De manhã bateram aqui na porta explicando a história, mas não imaginava que fosse ficar assim”, relatou. Ainda segundo ela, o local é constantemente engarrafado nas primeiras horas do dia. “Quero nem ver como vai ficar agora. É complicado.”

Leia também:
Obra do Canal do Fragoso exige retirada de mangue
Exército vai desobstruir o Canal do Fragoso


A questão do alargamento vai além dos transtornos no tráfego. Donos de imóveis na área já convivem com a necessidade de deixar o local, mas não sabem quando. “Desapropriaram minha casa para alargar o canal e até agora nada saiu do papel”, reclamou o funcionário público Fernando Farias, 61. Ele diz viver um impasse: não pode melhorar a casa, que será demolida, e nem pode deixá-la, pois não recebeu a indenização e nem a obra chegou lá.

Veja também

OMS considera que vacinação obrigatória deve ser último recursoSaúde

OMS considera que vacinação obrigatória deve ser último recurso

Unicef pede US$ 2 bilhões para salvar crianças afegãsAfeganistão

Unicef pede US$ 2 bilhões para salvar crianças afegãs