Intervenções na área do canal do Fragoso exigem paciência da população

Além dos transtornos no tráfego, donos de imóveis na região já convivem com a necessidade de deixar o local, mas não sabem quando

Trânsito ficou mais complicado próximo ao canal do FragosoTrânsito ficou mais complicado próximo ao canal do Fragoso - Foto: Arthur Mota

Para viabilizar o alargamento do canal do Fragoso, nas imediações do bairro de Jardim Atlântico, em Olinda, a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) começou, nessa segunda-feira (19), as obras de recuo do sistema de esgotamento sanitário que margeava o canal. A rua Professor Olímpio Magalhães, no trecho entre a avenida Fagundes Varela e a rua Aluísio de Azevedo, fica bloqueada até maio para a instalação de parte da nova tubulação - ficando o acesso restrito aos moradores daquela parte.

Essa é a primeira fase da intervenção, que depois irá recuar o sistema presente em outra parte da rua Olímpio Magalhães, à esquerda da avenida Fagundes Varela. A obra faz parte do programa Cidade Saneada, parceria público-privada da Compesa com a empresa BRK Ambiental, que prevê ações de saneamento em diversas localidades da Região Metropolitana do Recife.

O entorno da obra conta com diversas casas, comércios e até um terminal de ônibus. Ontem, moradores ainda estavam confusos. A funcionária pública Luana Calado, 30 anos, reside ao lado da primeira escavação e se disse surpresa. “De manhã bateram aqui na porta explicando a história, mas não imaginava que fosse ficar assim”, relatou. Ainda segundo ela, o local é constantemente engarrafado nas primeiras horas do dia. “Quero nem ver como vai ficar agora. É complicado.”

Leia também:
Obra do Canal do Fragoso exige retirada de mangue
Exército vai desobstruir o Canal do Fragoso


A questão do alargamento vai além dos transtornos no tráfego. Donos de imóveis na área já convivem com a necessidade de deixar o local, mas não sabem quando. “Desapropriaram minha casa para alargar o canal e até agora nada saiu do papel”, reclamou o funcionário público Fernando Farias, 61. Ele diz viver um impasse: não pode melhorar a casa, que será demolida, e nem pode deixá-la, pois não recebeu a indenização e nem a obra chegou lá.

Veja também

Faculdade nega vínculo descrito por Boulos ao explicar sua renda
Eleições SP

Faculdade nega vínculo descrito por Boulos ao explicar sua renda

Centro de Testagem no Centro de Convenções segue com movimento intenso
Covid-19

Centro de Testagem no Centro de Convenções segue com movimento intenso