IGREJA

Investigação sobre adolescente desaparecida no Vaticano analisa pista familiar

Emanuela Orlandi, de 15 anos, filha de um funcionário do Vaticano, desapareceu após uma aula de música no centro de Roma, em 1983

Adolescente vivia no VaticanoAdolescente vivia no Vaticano - Foto: Reprodução/YouTube

Quatro décadas depois do desaparecimento de Emanuela Orlandi, uma adolescente que vivia no Vaticano, os investigadores deste enigmático caso analisam a possibilidade de que tenha sido uma tragédia familiar.

Emanuela Orlandi, de 15 anos, filha de um funcionário do Vaticano, desapareceu após uma aula de música no centro de Roma, em 22 de junho de 1983.

Desde então, várias teses, nunca comprovadas, tentam explicar o caso, tema de uma série documental na Netflix, entre teorias da conspiração que envolvem os serviços secretos, a máfia, autoridades vaticanas e a maçonaria.

Informações divulgadas pelo canal de televisão La7 apresentaram uma nova pista. Segundo a emissora, o promotor do Vaticano entregou recentemente a seu colega romano correspondências entre um alto dignatário da Santa Sé e um padre, de setembro de 1983, três meses depois do desaparecimento da jovem.

O secretário de Estado, Agostino Casaroli, número dois do Vaticano, escreveu então a um padre, que havia sido conselheiro da família Orlandi.

Com esta carta, Casaroli tentava confirmar se Natalina, a irmã mais velha de Emanuela, havia sido vítima de abusos sexuais por seu tio Mario Meneguzzi, já falecido. O religioso reconheceu que a menina lhe contou os fatos, mas que havia sido proibida de falar sobre isso, ou perderia o emprego na cafeteria da Câmara dos Deputados, arranjado por seu tio.

Os investigadores já conheciam estes fatos, confirmados pela própria Natalina Orlandi, segundo a La7.

Meneguzzi, que tinha contato com os serviços de segurança interna da época, atendeu várias ligações anônimas recebidas pela família Orlandi e evitou uma investigação sem que as autoridades soubessem, informou a imprensa italiana nesta terça.

O retrato falado do homem que foi visto com Emanuela Orlandi, em 22 de junho de 1983, dia de seu desaparecimento, é parecido com o tio.

O irmão de Emanuela, Pietro, sua irmã Natalina e sua advogada, Laura Segro, que pressionaram o Vaticano e o Ministério Público de Roma a reabrir o caso em 2023, não acreditam nesta pista.

"Não houve estupro. Os fatos remontam a 1978. Meu tio tentou me seduzir", mas as coisas não foram mais longe depois que ele foi rejeitado, disse Natalina Orlandi nesta terça-feira em entrevista coletiva.

Já Pietro Orlandi lembrou que o álibi de seu tio, de férias fora de Roma à época dos fatos, foi estabelecido e verificado, acrescentando que a Santa Sé quer "se eximir de qualquer forma de responsabilidade".

Veja também

SUS terá primeiro medicamento para demência associada ao Parkinson
Parkinson

SUS terá primeiro medicamento para demência associada ao Parkinson

São João do Recife 2024: público lota show inclusivo no polo Rio Branco
AV. RIO BRANCO

São João do Recife 2024: público lota show inclusivo no polo Rio Branco

Newsletter