Notícias

Isolamento social atingiu pico de quase 70% no Brasil em março

Mapeamento é feito a partir de dispositivos móveis. Pernambuco está entre as maiores taxas de permanência em casa

Centro do Recife ficou mais vazio com a pandemia do coronavírusCentro do Recife ficou mais vazio com a pandemia do coronavírus - Foto: Léo Malafaia/Folha de Pernambuco

A partir de uma base de dados com cerca de 60 milhões de dispositivos móveis de todo o Brasil, uma empresa de segurança da informação e antifraude criou um índice de isolamento social. A ferramenta permite mapear a movimentação de pessoas dia a dia, o que pode ajudar na elaboração de ações preventivas de combate à pandemia do novo coronavírus.

A média nacional do índice aponta para um crescimento da taxa de isolamento dos brasileiros a partir do dia 14 de março, quando autoridades públicas passaram a tomar medidas de restrição para prevenir a expansão da doença pelo País.

O maior percentual de aparelhos em casa no mês de fevereiro, por exemplo, foi de 37,9%, no feriado de Carnaval (25/02). O índice chegou ao maior patamar, de 69,9%, no último dia 22 de março, já com os incentivos ao isolamento social.

O último registro da empresa é desta quinta-feira (2), quando a média nacional foi de 58,9%. Os menores percentuais foram dos estados de Tocantins (51,2%) e Roraima (53,1%). Já Goiás (65%), Pernambuco (60,9%) e Rio Grande do Sul (60,9%) tinham as maiores taxas de aparelhos em casa.

Leia também:
Isolamento radical contra coronavírus pode salvar 1 milhão de vidas no Brasil, aponta estudo
Período de isolamento é suficiente, mas requer cuidados
Saiba como se comportar durante as compras fora de casa

A In Loco, empresa responsável pela ferramenta, fechou parcerias com os governos de seis estados (Minas Gerais, Santa Catarina, Amazonas, Alagoas, Pará e Paraíba), e com a prefeitura do Recife. O governo do Mato Grosso do Sul também divulgou nesta quinta-feira (2) que vai utilizar as estatísticas, disponibilizadas gratuitamente. Os dados estão disponíveis no site https://www.inloco.com.br/pt/.

A ideia é que os órgãos públicos utilizem as informações para trabalhar em ações direcionadas, como enviar carros de som para alertar a população de determinada localidade sobre a importância do distanciamento social e orientar para as medidas de higiene de combate ao novo coronavírus.

Segundo a In Loco, a tecnologia respeita a privacidade de dados do usuário, pois não são coletadas informações pessoais e não é possível identificar diretamente os usuários dos aparelhos mapeados. O único dado captado e analisado é a localização e os relatórios gerados e enviados a órgãos públicos contêm apenas informações cartográficas e estatísticas. Publicamente, a empresa se comprometeu em excluir os dados após o término da pandemia.

A In Loco afirma que a tecnologia é 30 vezes mais precisa do que o GPS e se baseia num software integrado a aplicativos de parceiros da empresa, utilizado para segurança, autenticação e contagem de visitas a estabelecimentos. As informações são criptografadas e agregadas por bairro. São então transformadas em estatísticas de movimentação do grupo de pessoas naquela localidade. Assim, quanto maior o número de indivíduos entrando ou saindo de determinada região, mais baixo o isolamento.

A tecnologia permite também enviar alertas para as pessoas via aplicativos do governo, como os de transporte público, por exemplo. Nesse caso, o usuário vai receber uma mensagem informando que o dado será utilizado exclusivamente para o combate à disseminação do novo coronavírus e terá a opção de compartilhar ou não a localização.

A In Loco pretende criar outras ferramentas de enfrentamento ao novo coronavírus, como um mapeamento de aglomerações para direcionar medidas de dispersão. Segundo a empresa, por meio dos aparelhos, já é possível identificar um grande número de pessoas reunidas em determinada localização.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Reino Unido confirma transmissão local da varíola dos macacos
Doença

Reino Unido confirma transmissão local da varíola dos macacos

Inundações deixam cerca de 60 mortos em Bangladesh e na Índia
enchentes

Inundações deixam cerca de 60 mortos em Bangladesh e na Índia