Notícias

Israel ataca após chuva de foguetes lançados de Gaza e um palestino morre

Em resposta aos misseis que saíram de Gaza, Israel responde com mais ataques

A União Europeia pediu o fim imediato dos ataques com foguetes da Faixa de Gaza. A União Europeia pediu o fim imediato dos ataques com foguetes da Faixa de Gaza.  - Foto: Thomas COEX / AFP

Quase duzentos foguetes lançados de Gaza caíram neste sábado (4) em Israel, que respondeu ao ataque causando de um bebê de 14 meses, sua mãe e um jovem palestino. Neste contexto, Israel anunciou o fechamento das passagens fronteiriças com Gaza e proibiu a pesca na zona marítima do território palestino, governado pelo movimento islamita Hamas.

A agressão palestina e a resposta israelense aumentam os temores de uma nova escalada entre o Estado hebreu e o encrave palestino. Em retaliação à chuva de foguetes palestinos, Israel realizou ataques aéreos e recorreu a disparos de tanques contra posições do Hamas, segundo o exército hebreu.

O Ministério da Saúde de Gaza informou que um bebê de 14 meses morreu quando um míssil israelense atingiu a casa de sua família, a leste da cidade de Gaza, e sua mãe, Falastine Abu Ararque, 37 anos, ficou gravemente ferida, vindo posteriormente a falecer. Mais cedo, um palestino de 22 anos foi morto em outro ataque israelense.

Uma fonte de segurança de Gaza também disse que os ataques israelenses atingiram três áreas separadas da Faixa de Gaza e que três "combatentes da resistência" ficaram feridos. A Jihad Islâmica reivindicou o disparo de uma parte desses foguetes e disse que continuará atacando.

Em um vídeo transmitido por redes sociais, o braço armado do grupo Hamas ameaçou atacar vários alvos estratégicos de Israel, como o Aeroporto Internacional Ben Gurion, perto de Tel Aviv. O exército israelense informou que os palestinos dispararam cerca de 200 foguetes da Faixa de Gaza e que dezenas deles foram interceptados pelo sistema de defesa antimísseis de Israel. Grande parte dos foguetes caíram em zonas desabitadas.

De acordo com os serviços de emergência israelenses, os foguetes não causaram vítimas fatais israelenses, mas um mulher de 50 anos ficou gravemente ferida pelos estilhaços de um foguete que caiu em Gat, a 20 km no norte de Gaza, e outro israelense, de mesma idade, também se feriu em Ashkelon. O Exército disse que bombardeou dois lançadores de foguetes palestinos e que tanques atacaram vários postos militares do Hamas.

No final do dia, as sirenes de alerta continuavam soando nas zonas israelenses limítrofes com a Faixa de Gaza e a polícia pediu que os habitantes que se dirigissem aos refúgios a cada alerta.

Leia também:
Delegação do Hamas viaja ao Egito para discutir possível trégua com Israel
'É direito deles reclamar', diz Bolsonaro sobre Palestina

Manifestações
Essa escalada, a mais importante durante várias semanas, ocorre após manifestações violentas na sexta-feira na fronteira de Gaza. Quatro palestinos, incluindo dois membros do braço armado do Hamas, foram mortos em um ataque israelense na Faixa de Gaza na sexta-feira, após dois soldados israelenses terem sido feridos em confrontos no setor de fronteira.

O Hamas prometeu na sexta-feira responder à "agressão israelense". O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse neste sábado que se reunirá com autoridades de segurança do país para discutir a crise.

Israel e Hamas entraram em confronto em três guerras desde 2008 e, quando a tensão aumenta entre os dois lados, temem um quarto conflito. No final de março, sob os auspícios do Egito e da ONU, um cessar-fogo foi negociado, anunciado pelo Hamas, mas nunca confirmado por Israel.

Isso permitiu manter relativa calma durante as eleições legislativas israelenses de 9 de abril. Mas na terça-feira, Israel reduziu a zona de pesca autorizada na costa de Gaza depois que militantes palestinos lançaram um foguete em seu território.

O foguete caiu no Mediterrâneo. O exército israelense acusou a Jihad Islâmica, um grupo aliado do Hamas. Uma delegação do Hamas liderada por seu líder em Gaza, Yahya Sinwar, deixou o encrave na quinta-feira para o Cairo para discutir com autoridades egípcias os meios para preservar a trégua.

Nos últimos meses, Israel aceitou que o Catar forneceria uma ajuda multimilionária a Gaza para pagar salários e financiar a compra de combustível e assim enfrentar a escassez de eletricidade. Desde março de 2018, palestinos protestam na fronteira entre a Faixa de Gaza e Israel contra o bloqueio no encrave e pelo retorno de refugiados palestinos que foram expulsos ou tiveram que deixar suas terras após a criação de Israel em 1948.

Pelo menos 270 palestinos foram mortos desde o início da mobilização, em manifestações ou em ataques israelenses em retaliação. Do lado israelense, dois soldados morreram. Os organizadores das manifestações e do Hamas asseguram que o movimento da "Grande Marcha de Retorno" é independente. Israel, por outro lado, acusa o Hamas de orquestrar essas manifestações.

Veja também

Fechamento da Télam prejudicaria direito de argentinos à informação
Télam

Fechamento da Télam prejudicaria direito de argentinos à informação

Moda da Hermès desafía todos os elementos
Moda

Moda da Hermès desafía todos os elementos