Varíola

Israel e Suiça confirmam primeiros caso de varíola dos macacos

Segundo autoridades de ambos países, os infectados estiveram em contato com uma pessoas doentes no exterior

Vírus da 'varíola dos macacos' Vírus da 'varíola dos macacos'  - Foto: Centro de Controle de Doenças/Divulgação

Israel e Suíça confirmaram neste sábado (21) seus primeiros casos de varíola dos macacos, depois que vários países europeus e os Estados Unidos também detectaram casos dessa doença endêmica na África Central e Ocidental.

Em Israel, um porta-voz do hospital Ichilov de Tel Aviv declarou à AFP que um homem de 30 anos, que havia voltado recentemente da Europa ocidental, está infectado.

Na sexta-feira, o Ministério da Saúde informou que o homem, cujos sintomas são leves, esteve em contato com uma pessoa doente no exterior.

No caso da Suíça, a pessoa infectada, que mora em Berna, também esteve em contato com o vírus no exterior, informou a direção de saúde deste cantão.

A pessoa está atualmente em isolamento domiciliar e todos os seus contatos foram informados, acrescentaram as autoridades.

Na Grécia, suspeita-se que um turista britânico tenha contraído a varíola do macaco, informou o organismo grego de saúde pública.

O cidadão britânico foi transferido para um quarto de isolamento no hospital juntamente com sua companheira, assintomática, acrescentou o organismo.

Análises de laboratório confirmarão na segunda se ele está de fato infectado com a doença.

Vários países ocidentais, incluindo França, Alemanha, Reino Unido, Estados Unidos, Suécia ou Espanha, registaram casos desta doença.

A varíola do macaco, ou "ortopoxvirosis simia", é uma doença rara cujo patógeno pode ser transmitido do animal para o homem e vice-versa.

Seus sintomas são semelhantes, em menor escala, aos observados no passado em pacientes de varíola: febre, dor de cabeça, dores musculares e nas costas nos primeiros cinco dias.

Em seguida surgem erupções (no rosto, nas palmas das mãos nas solas dos pés), lesões, pústulas e, finalmente, crostas.

Não existem tratamentos específicos ou vacinas contra a varíola do macaco, mas as crises podem ser contidas, explica a OMS. A doença geralmente  se cura por conta própria, com sintomas que duram de 14 a 21 dias.

A transmissão de pessoa a pessoa ocorre através de contato próximo com secreções infectadas das vias respiratórias, lesões cutâneas de uma pessoa infectada ou de objetos contaminados recentemente com fluidos biológicos ou materiais procedentes das lesões de um doente.

A maioria dos casos registrados nos últimos dias ocorreram em homens que mantêm relações sexuais com outros homens, informou a OMS na sexta-feira.

Veja também

Bispo mexicano propõe 'pacto social' que inclua traficantes de drogas
México

Bispo mexicano propõe 'pacto social' que inclua traficantes de drogas

Festa do Carmo interdita faixa da Av. Dantas Barreto, no Centro do Recife
PADROEIRA DO RECIFE

Festa do Carmo interdita faixa da Av. Dantas Barreto, no Centro