Notícias

Israel ordena retirada de embaixadores da Irlanda e Noruega, após países reconhecerem Palestina

Decisão do gabinete de Benjamin Netanyahu ocorre após oficialização anunciada nesta quarta-feira pelos chefes de Governo dos países

Manifestantes fazem ato pró-PalestinaManifestantes fazem ato pró-Palestina - Foto: Fadel Senna/AFP

O Ministério das Relações Exteriores de Israel ordenou, nesta quarta-feira (22), a retirada imediata de seus embaixadores na Irlanda e na Noruega. A ação é uma resposta à decisão dos chefes de Governo dos dois países, e da Espanha, de reconhecer a Palestina como Estado a partir de 28 de maio.

Os três países europeus anunciaram que esperam que outros líderes sigam o passo, diante do "perigo" que a solução de dois Estados enfrenta devido à guerra em Gaza. O governo de Israel reagiu rapidamente e convocou seus embaixadores na Noruega e na Irlanda para consultas.

"Hoje, eu envio uma mensagem forte à Irlanda e à Noruega: Israel não permanecerá calado diante disso", afirmou o ministro das Relações Exteriores, Israel Katz, em um comunicado.

O ministro das relações exteriores de Israel, Israel Katz, afirmou que a decisão de reconhecer o Estado palestino minou o direito de Israel à autodefesa e os esforços para devolver os 128 reféns detidos pelo Hamas em Gaza.

O primeiro-ministro norueguês, Jonas Gahr Støre, foi o primeiro a anunciar a decisão, em Oslo, onde foram negociados os acordos, atualmente ignorados, que obrigavam israelenses e palestinos a aceitar uma coexistência pacífica entre dois Estados independentes.

Ao anunciar que o país reconhecerá o Estado palestino em 28 de maio, Støre fez um "forte apelo" para que outros países sigam o mesmo caminho.

Depois de chamar o dia de "histórico e importante", o primeiro-ministro da Irlanda, Simon Harris, fez o anúncio poucos minutos depois, no que foi seguido pelo chefe de Governo da Espanha, Pedro Sánchez, no Parlamento em Madri.

"É uma declaração inequívoca de apoio a uma solução de dois Estados como o único caminho crível para a paz e a segurança, para Israel e a Palestina, e para os seus povos", afirmou o primeiro-ministro irlandês em Dublin.

O reconhecimento dos dois Estados é "a pedra angular sobre a qual a paz deve ser construída", acrescentou.

"Hoje, afirmamos que reconhecemos o Estado de Israel, reconhecemos o seu direito de existir em paz e segurança dentro de fronteiras internacionalmente reconhecidas. Reconhecer o Estado da Palestina envia a mensagem de que existe uma alternativa viável ao niilismo do Hamas", completou.

Em Madri, o primeiro-ministro Sánchez também falou sobre a decisão.

O primeiro-ministro (israelense Benjamin) Netanyahu não tem um projeto de paz para a Palestina", afirmou o socialista Sánchez, uma das vozes mais críticas dentro da União Europeia (UE) contra a operação militar iniciada por Israel após o ataque sem precedentes do Hamas em 7 de outubro.

"Lutar contra o grupo terrorista Hamas é legítimo e necessário (...) mas Netanyahu está gerando tanta dor e tanta destruição, e tanto ressentimento em Gaza e no resto da Palestina, que a solução de dois Estados está em perigo", afirmou Sánchez.

Formalmente, a medida será adotada com um decreto que deve ser aprovado na próxima terça-feira, durante uma reunião do Conselho de Ministros espanhol.

Segundo uma contagem da Autoridade Palestina, 142 dos 193 Estados-membros da ONU expressaram apoio ao reconhecimento de um Estado palestino.

A iniciativa de Madri, Dublin e Oslo pode ser acompanhada por outros países europeus. Em março, os governantes da Eslovênia e de Malta assinaram em Bruxelas um comunicado conjunto com Madri e Dublin, no qual expressavam o desejo de adotar a mesma medida.

O governo esloveno anunciou um decreto neste sentido em 9 de maio, com a intenção de enviá-lo ao Parlamento para aprovação até 13 de junho.

"Passos precipitados"
O governo de Israel reagiu rapidamente e convocou seus embaixadores na Noruega e na Irlanda para consultas.

"Hoje, eu envio uma mensagem forte à Irlanda e à Noruega: Israel não permanecerá calado diante disso", afirmou o ministro das Relações Exteriores, Israel Katz, em um comunicado.

"Os passos precipitados dos dois países terão mais consequências graves", acrescentou o chanceler israelense, que prometeu adotar uma medida similar caso a Espanha aderisse à iniciativa.

A Organização para a Libertação da Palestina (OLP), considerada internacionalmente a único representante legítima do povo palestino, considerou o reconhecimento do Estado Palestino por três países europeus como um "momento histórico, em que mundo livre triunfa pela verdade e pela justiça".

Uma fonte do Hamas celebrou os anúncios de Espanha, Irlanda e Noruega e afirmou que estes foram possíveis graças à "corajosa resistência" do povo palestino.

"Vemos como um passo importante para afirmar o nosso direito à terra e ao estabelecimento de um Estado palestino com Jerusalém como capital", afirmou o Hamas em um comunicado, em que faz um apelo aos "países de todo o mundo para que reconheçam (os seus) direitos nacionais legítimos".

Israel prometeu "aniquilar" o Hamas e iniciou uma ofensiva em larga escala contra a Faixa de Gaza em represália ao ataque de 7 de outubro, que matou mais de 1.170 pessoas, a maioria civis, segundo um balanço da AFP baseado em dados divulgados pelas autoridades israelenses.

Das 252 pessoas sequestradas durante o ataque, 124 permanecem em Gaza, mas o Exército israelense acredita que 37 foram mortas.

Desde 7 de outubro, mais de 35 mil palestinos, a maioria civis, morreram na Faixa de Gaza em bombardeios e operações militares israelenses, segundo o Ministério da Saúde do Hamas, que governa Gaza.

Veja também

CFM pede que Anvisa reveja proibição do uso de fenol para médicos
BRASIL

CFM pede que Anvisa reveja proibição do uso de fenol para médicos

Lei ambiental gaúcha agrava futuros desastres, dizem especialistas
RIO GRANDE DO SUL

Lei ambiental gaúcha agrava futuros desastres, dizem especialistas

Newsletter