Notícias

Itália deve estender isolamento por conta da Covid-19

Prazo inicial das restrições encerraria nesta sexta (3), mas autoridades falam em estender medidas até a Páscoa

Roma Roma  - Foto: Andreas SOLARO / AFP

O governo italiano disse nesta segunda-feira (30) que irá estender a duração das medidas de isolamento impostas ao país inteiro contra a pandemia do novo coronavírus. As restrições de mobilidade, inicialmente previstas para terminarem na próxima sexta-feira (3), devem ser prorrogadas pelo menos até o final do feriado de Páscoa.

"A avaliação era para estender todas as medidas de contenção pelo menos até a Páscoa. O governo irá agir nessa direção", disse o ministro da Saúde, Roberto Speranza, em nota após uma reunião com um comitê de cientistas que está aconselhando o governo.

O Ministério da Saúde não deu uma data para o fim do novo período de isolamento, mas disse que ela estará em um novo decreto do governo. O domingo de Páscoa cai em 12 de abril neste ano.

Leia também:
EUA enviará US$ 100 milhões em suprimentos médicos para Itália
Itália registra 919 novas mortes, maior número diário desde início da pandemia do coronavírus
EUA passa dos 140 mil casos e tem mais de dois mil mortos pela Covid-19
Japão quer incluir em lista de recusa entrada de estrangeiros dos EUA


Os italianos estão em isolamento há três semanas, com a maioria das lojas, bares e restaurantes fechados e pessoas proibidas de deixarem suas casas a não ser por necessidades essenciais.

A Itália, até agora o país mais atingido em número de mortes e que representa mais de um terço de todas as fatalidades pelo novo coronavírus no mundo, viu o número total de mortos subir para 11.591 desde que a epidemia começou na região norte do seu território, em 21 de fevereiro.

Nas últimas 24 horas, foram mais 812 óbitos, segundo a Agência de Proteção Civil. Um novo aumento após dois dias de queda. Em contrapartida, o número de novos casos foi o menor número desde 17 de março, 4.050 - a Itália chegou a um total de 101.739 casos nesta segunda-feira. Porém, a queda no número de novas infecções pode em parte ser explicada por uma redução no número de testes, que foi o menor dos últimos seis dias.

O governador da região de Puglia, no sul do país, disse no sábado (28) que as restrições deveriam continuar vigentes até maio. Ressaltando os perigos da doença, a associação nacional de médicos anunciou a morte de mais 11 profissionais de medicina nesta segunda, elevando o número total para 61. Nem todos eles foram testados para o novo coronavírus antes de morrerem, conforme informou a associação, que ligou as mortes à pandemia.

A Lombardia, região que abriga a capital financeira italiana, Milão, tem quase 60% do total de mortes no país e cerca de 40% dos casos. O presidente da Lombardia, Attilio Fontana, disse que as contenções sem precedentes aos movimentos, reuniões e atividades econômicas estão impedindo uma alta exponencial no número de casos, e precisam continuar em vigência.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Eat Just produzirá carne artificial em grande escala com biorreatores gigantes
EUA

Eat Just produzirá carne artificial em grande escala com biorreatores gigantes

Chanceler ucraniano acusa Otan de 'não fazer nada' em relação à Rússia
Guerra na Ucrânia

Chanceler ucraniano acusa Otan de 'não fazer nada' em relação à Rússia