Janot diz que Temer fez 'confissão' e pede ao STF para interrogá-lo

Procurador cita trecho do pronunciamento do presidente no qual relata encontro durante a noite para conversar com Joesley Batista

Rodrigo Janot, procurador-geral da RepúblicaRodrigo Janot, procurador-geral da República - Foto: José Cruz/Arquivo Agência Brasil

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse que Michel Temer fez uma "confissão" sobre ter participado de uma conversa na qual foram tratados de possíveis crimes de corrupção de agentes públicos e pede para tomar o depoimento do presidente.

A afirmação faz parte de uma petição encaminhada ao ministro do STF, Edson Fachin, responsável pelo inquérito aberto com base na delação da JBS para investigar se o presidente cometeu crimes de corrupção passiva, embaraço à investigação da Lava Jato e organização criminosa.

Janot cita trecho do pronunciamento do presidente no último sábado (20), no qual Temer relata encontro durante a noite para conversar com Joesley Batista no Palácio do Jaburu.
Temer ouviu relato de compra de juízes e procuradores sem demonstrar oposição.

"O presidente confirma que fez parte do diálogo o possível crime de corrupção: [Temer diz no diálogo que] 'E por isso mesmo eu devo dizer que, não acreditei na narrativa do empresário de que teria segurado juízes, etc. Ele é um conhecido falastrão, exagerado'", destaca a PGR (Procuradoria-Geral da República).

"Mais uma vez o fato relevante não é negado, sendo, em realidade, objeto de confissão no sentido de que os interlocutores dialogaram sobre possível corrupção de agentes públicos", escreve Janot.

Veja também

Bolsonaro participa de celebração nacional da Índia na embaixada
Governo Federal

Bolsonaro participa de celebração nacional da Índia na embaixada

Aumento do diesel eleva 'insatisfação' de caminhoneiros, mas governo ainda não vê risco de greve
Greve

Aumento do diesel eleva 'insatisfação' de caminhoneiros, mas governo ainda não vê risco de greve