Caso Tamarineira

João Victor Ribeiro é condenado a 29 anos, 4 meses e 24 dias de prisão

Sentença foi anunciada pela juíza Fernanda Moura de Carvalho

João Victor Ribeiro é condenado por  triplo homicídio qualificado e por tentativa de homicídioJoão Victor Ribeiro é condenado por triplo homicídio qualificado e por tentativa de homicídio - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

Após três dias de julgamento, o júri, em sessão presidida pela juíza Fernanda Moura de Carvalho, condenou o réu João Victor Ribeiro de Oliveira a 29 anos, 4 meses e 24 dias de prisão pelo triplo homicídio qualificado e pela tentativa de homicídio dos sobreviventes.

Na sentença lida pela juíza Fernanda Moura de Carvalho poucos depois das 22h desta quinta-feira (17), no Fórum Rodolfo Aureliano, no Recife, foi apontada a culpabilidade extrema do acusado e a comoção do acidente.

Veja o momento da leitura da sentença:


 

João Victor respondia por dirigir embriagado e causar o acidente que vitimou fatalmente três pessoas, deixando outras duas feridas em um acidente de carro na Tamarineira, na Zona Norte do Recife, em 2017.

Em via do que foi apresentado, João Victor, que inicia o cumprimento da pena em regime fechado deve voltar para a unidade prisional em que estava.

Dada as devidas circunstâncias, além da pena, o réu teve a suspensão da sua carteira de habilitação e perde o gozo aos direitos políticos enquanto durar a pena.

A promotoria já protocolou um pedido para recorrer em virtude da pena, que alegou ser menor do que a esperada pela acusação. "Em vista do que foi apresentado e com base no cálculo que fizemos, acreditávamos que a pena seria maior que do que 30 anos. Vamos reunir as apelações e apresentar ao tribunal para garantir o pedido", disse a promotora Eliane Gaia

 

Relembre o caso:

Em 26 de novembro de 2017, o então universitário João Victor Ribeiro, que tinha 25 anos na época, conduzia, alcoolizado, um Ford Fusion em alta velocidade e avançou o sinal vermelho no cruzamento da Rua Cônego Barata com a Avenida Conselheiro Rosa e Silva, no bairro da Tamarineira, atingindo um Toyota RAV4, onde estavam cinco pessoas.

A batida provocou a morte da funcionária pública Maria Emília Guimarães, de 39 anos; do filho dela, Miguel Neto, de 3 anos; e da babá Roseane Maria de Brito Souza, de 23 anos, que estava grávida.

O marido de Maria Emília, o advogado Miguel Arruda da Motta Silveira Filho, que estava ao volante do Toyota, e a filha Marcela Guimarães, na época com 5 anos, ficaram gravemente feridos, mas sobreviveram.

 

Veja também

Ex-presidente paraguaio Lugo segue hospitalizado em situação 'estável' após sofrer derrame
Saúde

Ex-presidente paraguaio Lugo segue hospitalizado em situação 'estável' após sofrer derrame

Petro propõe ampliar legalização da maconha na Colômbia
Cannabis

Petro propõe ampliar legalização da maconha na Colômbia