Barruada

Morre Barruada, vendedor de cachorro-quente que pediu fim de doações após excesso de ajuda

BarruadaBarruada - Foto: Reprodução

Morreu na madrugada desta terça-feira (2), o vendedor de cachorro-quente Joaquim Antonio, mais conhecido por Barruada, de 72 anos. Por conta de uma infecção respiratória, Barruada chegou a ser internado em janeiro no Imip. A família confirmou que a causa do falecimento não está ligada à Covid-19. O sepultamento será realizado na manhã desta terça-feira, no cemitério de Santo Amaro. Ele deixa três filhos e quatro netos.

Personagem da Rua Dom Bosco, na Boa Vista, Barruada vendia há mais de 30 anos os cachorros-quentes que alimentaram alunos e ex-alunos do Colégio Salesiano. Em 2020, viralizou na internet após pedir doações durante a pandemia, pelo fato de suas vendas estarem paralisadas. O número de doações foi tão grande que Joaquim acabou pedindo para as pessoas não enviassem novas contribuições. O gesto ganhou repercussão nacional.

Barruada sofria de asma e problemas respiratórios. Ele tinha apenas um pulmão funcionando, já que o outro teria sido comprometido após uma tuberculose. Desde janeiro, estava debilitado. Ele realizou dois testes para o coronavírus que deram negativo. Na última sexta-feira (26), Barruada foi transferido do Imip para o antigo hospital Alfa, onde teria recebido a notícia de que a infecção teria voltado e iniciou o tratamento em casa. Na segunda (1º) à noite, Barruada teve uma piora e foi levado para o Imip. Ele morreu a caminho do local.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Barruada (@cachorroquentebarruada)

Veja também

UFPE publica edital de matrícula relativo ao SISU 2021 com novo cronograma
Graduação

UFPE publica edital de matrícula relativo ao SISU 2021 com novo cronograma

Estudos afirmam que variante britânica do coronavírus não aumenta a gravidade da doença
Pandemia

Estudos afirmam que variante britânica do coronavírus não aumenta a gravidade da doença