Jornalismo centenário em exibição na Galeria Baobá

Mostra que celebra jornais do Brasil e de Portugal está disponível na Fundaj de Casa Forte; a exposição é uma viagem pela história da notícia

Exposição de jornais centenários luso-brasileiros na Fundaj (exposição jornais de Brasil Portugal). Exposição de jornais centenários luso-brasileiros na Fundaj (exposição jornais de Brasil Portugal).  - Foto: Paullo Allmeida / Folha de Pernambuco

A importância da comunicação foi o mote da abertura de uma exposição sobre jornais brasileiros e portugueses, que teve seu início nesta sexta-feira. O clima intimista da Galeria Baobá, na Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj) de Casa Forte, recebe até o dia 17 de novembro a exposição “Jornais Centenários do Brasil e Portugal: um legado cultural”. A primeira edição e a edição mais atual de 18 jornais brasileiros e 34 portugueses levam o visitante para uma viagem no tempo, para quando a notícia se fazia apenas em texto. A Galeria que recebe a exposição funciona de segunda-feira a sexta-feira de 8h às 17h e nos fins de semana entre 13h e 17h.

Veículos do século XIX e do início do século XX representavam praticamente a única forma de acesso à informação para a população da época. Por isso, nos jornais são encontradas muitas notas sobre impostos, anúncios de compra, anúncios de venda e diversas outras informações que atualmente são mais raras nos veículos. O teor informativo, não crítico, era característica primordial dos jornais mais antigos.

Leia também:
Jornalistas de Portugal visitam a Folha de Pernambuco
Exposição mostra relação da UFPE com o Recife


João Palmeiro, presidente da Associação Portuguesa de Imprensa, salientou que quem passar pela exposição poderá apreciar as diferenças de diagramação com a virada do século. "A tipografia do título dos jornais centenários era muito similar. Era o que se tinha para trabalhar. Hoje, nós contamos com uma tipografia muito moderna. Portanto, eu acho que essa exposição tem muitas maneiras de ser vista. Tentar comparar os anos e começar a pensar que tem jornais em Portugal e no Brasil que possuem uma diferença de anos pequena e, talvez por isso, eles tenham um modo de informar muito parecido é uma delas", contou.

João ainda ressaltou que o objetivo da exposição é fazer com que a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) fomente um projeto maior. "Queremos digitalizar todos os exemplares para que os pesquisadores e investigadores possam ter acesso aos jornais e aos fatos noticiados durante o tempo", explicou.

Antônio Campos, presidente da Fundaj, evidenciou que a exposição retrata a importância do jornalismo. "A Fundaj se sente profundamente honrada e alegre em abrigar essa exposição de grande importância cultural, jornalística e que mostra ainda o fôlego dos jornais impressos e dos digitais." Para ele, além de apresentar o trabalho da imprensa centenária entre os dois países, o evento é ainda prova da forte ligação entre brasileiros e portugueses.

"Isso aqui é um diálogo entre a imprensa portuguesa e a imprensa brasileira, nordestina e pernambucana, gerando aproximação entre dois países irmãos ligados pela língua portuguesa", explicou. Pernambuco conta com o jornal da exposição mais antigo, datado de 1825 o Diario de Pernambuco é o mais antigo em circulação da América Latina e de língua portuguesa.

Dividida em duas salas, o passeio pelos jornais centenários começa com os centenários "mais recentes" até os mais antigos, na segunda sala da galeria. Cristina Meira Lins, moradora da Zona Norte, elogiou o formato de apresentação da mostra. "Eles fizeram logo na entrada, de uma forma muito gentil, uma conexão entre o Brasil e Portugal, e a parte de arte também está muito bonita e atual. Com certeza irei indicar para amigos", comentou. A exposição ficará durante 31 dias disponível para visitação gratuita, com acesso pela entrada principal da Fundaj.

A abertura da exposição contou com diversos convidados como o diretor executivo da Folha de Pernambuco, Paulo Pugliesi, e vice-cônsul Geral de Portugal no Recife, Marco Ferreira de Melo. Marco enxerga a exposição como uma prova da cooperação entre os dois países. "É uma aproximação que já existe, sobretudo entre a imprensa pernambucana e de Portugal, que mostra que há uma parceria, colaboração ativa hoje de jornalistas de imprensa portuguesa e pernambucana, para desenvolver mais ainda a relação entre esses países", disse.

Miguel Gaspar, representante do Jornal de Notícias, de Portugal, contou sobre a sua experiência de acompanhar as mudanças dentro do jornal impresso para a era online. "Quando eu entrei no jornal, na década de 1960, ainda era máquina de escrever. Acompanhei o crescimento ao longo dos anos." Para ele, o jornalismo hoje é melhor e ainda assim é um indicativo da democracia. "O jornalismo tem que ser uma atividade defendida, preservada. O bom jornalismo é sinal de uma democracia saudável", explicou.

Veja também

Brasil registra 1.428 novos óbitos nas últimas 24h
Pandemia

Brasil registra 1.428 novos óbitos nas últimas 24h

Sem Carnaval, Promotoria investiga repasse da prefeitura a escolas de samba de SP
São Paulo

Sem Carnaval, Promotoria investiga repasse da prefeitura a escolas de samba de SP