Jovem vítima de kart permanece estável

Débora segue evoluindo bem após a cirurgia realizada na última segunda-feira (2)

Débora segue estável no Hospital Especializado, em São PauloDébora segue estável no Hospital Especializado, em São Paulo - Foto: Divulgação

A auxiliar de ensino infantil Débora Stefany, 19 anos, que teve o couro cabeludo arrancado após acidente em uma pista de kart, segue estável após a cirurgia para enxerto de pele no couro cabeludo realizada na última segunda-feira (2).

De acordo com o boletim médico emitido pelo Hospital Especializado, em Ribeirão Preto, São Paulo, Débora evolui dentro do esperado pela equipe médica. “A paciente está se recuperando no quarto, sem intercorrências e com boa evolução clínica”, declarou.

Leia também:
Jovem escalpelada em kart não terá mais cabelos naturais
Jovem que sofreu acidente em kart quer escrever livro contando acidente


Entenda o caso

Débora Dantas Oliveira corria de kart com o namorado em uma pista no estacionamento do Walmart, em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, no último dia 11, quando o cabelo soltou da touca e ficou preso no motor. A pele foi arrancada desde a altura dos olhos até a nuca. A jovem foi socorrida pelo namorado e levada ao Hospital da Restauração, região central da capital pernambucana, onde foi feito o reimplante do couro cabeludo.

Os médicos conseguiram recuperar e reimplantar 80% da área atingida. Contudo a equipe médica do Recife apontou o risco de o procedimento não funcionar devido ao aparecimento de obstruções nas veias e artérias da área operada. No domingo (18) seguinte ao acidente, Débora foi transferida para o Hospital Especializado, na cidade de Ribeirão Preto, em São Paulo.

Procurado, o grupo Big Bompreço, antigo Walmart Brasil, custeia toda a recuperação de Débora em São Paulo, inclusive a vinda do médico Marco Maricevich dos Estados Unidos e os dois acompanhantes da jovem. Segundo a assessoria de imprensa da rede de supermercados, tudo que for decidido pela família da jovem e pela a equipe médica será arcado pelo grupo.

Investigação

A pista onde Débora sofreu o acidente funcionava sem alvará e era administrada pela empresa Adrenalina Kart. O local foi interditado na segunda-feira (12), um dia após o acidente, em fiscalização feita pelo Procon-PE e Corpo de Bombeiros. O representante da Adrenalina Kart, o empresário Vanderlei Dreyer, pai do proprietário Fábio Dreyer, classificou o caso como uma "fatalidade".

A família registrou o caso em Boletim de Ocorrência e a Polícia Civil de Pernambuco abriu inquérito para investigar o acidente. Segundo o delegado Alfredo Jorge, responsável pelo caso, oito pessoas foram ouvidas até agora, mas a conclusão do inquérito deve demorar, pois depende dos resultados das perícias e do depoimento de Débora.

Veja também

Mais de um milhão de mortes por Covid-19 registradas no mundo, aponta agência
Covid-19

Chega a mais de 1 milhão o número de pessoas mortas por Covid-19, diz agência

Covid-19: Brasil confirma 14.318 casos e 335 mortes nas últimas 24 horas
CORONAVÍRUS

Brasil confirma 14.318 casos e 335 mortes em 24 horas