Juiz bloqueia recursos do fundo eleitoral e libera uso para combate ao coronavírus

Em 2020, cerca de R$ 3 bilhões do Orçamento federal foram separados para o financiamento das legendas

RealReal - Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O juiz titular da 4ª Vara Federal Cível do Distrito Federal, Itagiba Catta Preta, bloqueou os recursos dos fundos eleitoral e partidário para destiná-los ao combate do novo coronavírus.

Em 2020, cerca de R$ 3 bilhões do Orçamento federal foram separados para o financiamento das legendas. Cabe recurso contra a decisão de primeira instância.

Leia também:
Líder do governo no Senado condiciona uso do fundo eleitoral na pandemia ao adiamento das eleições
Novo partido não usará fundo eleitoral sancionado, diz Bolsonaro


Catta Preta concedeu uma liminar (decisão provisória) nesta terça-feira (7) após um pedido feito em uma ação popular apresentada pelo advogado Felipe Torello.

Na decisão, o juiz afirma que destinar verba para partidos políticos em meio à crise da Covid-19 vai contra a moralidade pública.

No dia 27 de março, a juíza Andrea Peixoto, da 26ª Vara Federal do Rio de Janeiro, havia tomado decisão parecida. O escopo da sentença, no entanto, era restrito ao fundo eleitoral.

Quatro dias depois, no entanto, o desembargador Reis Friede, do TRF-2 (Tribunal Regional Federal da 2ª Região), anulou a decisão da magistrada de primeira instância.

O uso de recursos dos fundos para o enfrentamento da doença tem sido uma das bandeiras de aliados de Jair Bolsonaro durante a crise.

A maioria do Congresso e dos partidos, porém, é contrária. Eles argumentam que a verba é fundamental para o funcionamento da democracia representativa.

Catta Preta, porém, concordou com o autor da ação. Ele disse que neste momento da crise sanitária "se exigem sacrifícios de toda a nação".

"Não podem ser poupados apenas alguns, justamente os mais poderosos, que controlam, inclusive, o Orçamento da União", escreve o magistrado.

O juiz determina que os recursos dos fundos sejam bloqueados pelo Tesouro Nacional e não fiquem mais à disposição do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). A corte é responsável por distribuir a verba.

De acordo com Catta Preta, caberá ao presidente Jair Bolsonaro a definição sobre como usar o dinheiro.

"Os valores podem, contudo, a critério do chefe do Poder Executivo, ser usados em favor de campanhas para o combate à pandemia de coronavírus-Covid-19, ou a amenizar suas consequências econômicas", escreveu.

Os Poderes Executivo e Legislativo podem recorrer à segunda instância -no caso, o TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região).

Outra possibilidade é algum partido apresentar um pedido de suspensão de liminar ao STF (Supremo Tribunal Federal).

Catta Preta foi o magistrado responsável, em 2016, por suspender a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para ser chefe da Casa Civil da então presidente Dilma Rousseff.

A decisão gerou polêmica porque meses antes o magistrado havia publicado fotos em manifestações contra o PT.

Além deste caso, o juiz ganhou visibilidade quando mandou a Caixa Econômica Federal pagar uma indenização de R$ 500 mil ao caseiro Francenildo Costa.

Na ocasião, Catta Preta entendeu que Francenildo deveria ser indenizado porque teve o sigilo bancário violado em 2006 após acusar o então ministro Antonio Palocci de frequentar uma mansão em Brasília durante a crise do mensalão.

Como Palocci negava a informação, as declarações do caseiro ganharam o noticiário da época.

Veja também

Anvisa encerra análise de pedido de uso emergencial da Covaxin
SAÚDE

Anvisa encerra análise de pedido de uso emergencial da Covaxin

Arara-vermelha é resgatada durante fiscalização da PRF na BR 116, em Salgueiro
CRIME AMBIENTAL

Arara-vermelha é resgatada durante fiscalização da PRF na BR 116, em Salgueiro