Juiz nega pedido para mãe fazer turismo com filho no exterior

Segundo informou a assessoria de imprensa do TJ-SC, a criança não conhece a família do pai -ele é inglês- e queria aproveitar a ocasião para fazer turismo

Martelo da justiçaMartelo da justiça - Foto: internet

O juiz Iolmar Alves Baltazar, da 1ª Vara de Balneário Piçarras, no litoral norte de Santa Catarina, negou o pedido de uma mãe que pretendia levar seu filho pequeno para um passeio "de não mais de 30 dias" a Londres.

Segundo informou a assessoria de imprensa do TJ-SC, a criança não conhece a família do pai -ele é inglês- e queria aproveitar a ocasião para fazer turismo. O pai da criança se recusou a assinar a autorização da viagem. A pandemia do novo coronavírus foi o fator mais decisivo.

Na decisão, o juiz ressalta que é salutar a ideia de viajar ao exterior para conhecer o parentesco paterno, com reflexos positivos no desenvolvimento da criança. Isto, inclusive, explicou o magistrado, está assegurado nos direitos previstos na legislação constitucional e ordinária, especificamente nos artigos 227 da Constituição e no artigo 4º do Estatuto da Criança e do Adolescente.

Leia também:
Jovem de 23 anos é a segunda vítima do coronavírus no RN
Brasileiro morre em Londres vítima do coronavírus, que contraiu após preparar um almoço 


Contudo, ponderou Baltazar, assim como todo o restante do ordenamento infanto-juvenil, a pretensão em apreço também se rege pelos princípios do melhor interesse e da proteção integral, considerando a criança como sujeito de direitos e não mero objeto da norma.

"A meu sentir, no momento pelo qual atravessa a humanidade, frente à pandemia do novo coronavírus (a maior desde a ocorrida em 1918, com a chamada Gripe Espanhola), uma viagem internacional ao continente europeu, quando a OMS recomenda 'ficar em casa', definitivamente não atende ao melhor interesse e proteção da criança em questão", decidiu o magistrado.

Apesar de entender necessária a citação do pai da criança em tais situações, como parte interessada, para expor os motivos da negativa em autorizar a viagem, neste caso específico o juiz não a utilizou por considerar que já havia nos autos elementos suficientes para a decisão.

Baltazar explicou que a decisão pode ser revista quando se retornar ao estado de normalidade.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

União Europeia quer quarentena de 14 dias para quem chega do Brasil
Pandemia

União Europeia quer quarentena de 14 dias para quem chega do Brasil

MEC anuncia regras para o Fies do segundo semestre de 2021
Educação

MEC anuncia regras para o Fies do segundo semestre de 2021